Mano comemora vitória, mas reclama de chances desperdiçadas pelo Cruzeiro

Treinador acha que sua equipe demorou para "matar o jogo" com o América de Teófilo Otoni

Estadao Conteudo

06 de março de 2017 | 09h50

O técnico Mano Menezes comemorou a vitória do Cruzeiro sobre o América de Teófilo Otoni, no domingo, mas não deixou de reclamar das chances desperdiçadas pelo seu time, principalmente no segundo tempo. Para o treinador, o Cruzeiro demorou para "matar o jogo" na casa do adversário.

"O Cruzeiro tomou a iniciativa do jogo, mas demorou um pouquinho a marcar. Estamos cometendo o pecado de demorar a matar o jogo, porque o adversário vai ter chance uma hora ou outra. O América-TO teve chance, num chute cruzado que o Rafael fez a defesa", comentou o treinador.

O gol da vitória do Cruzeiro surgiu aos 30 minutos de jogo, com Alisson. "Quando você não define o jogo, você cria uma insegurança para a equipe também. É assim o futebol. Mas tivemos méritos para nos mantermos inteiros até o final", declarou.

Apesar da reclamação, Mano exaltou o esforço dos jogadores no campo que considerou problemático e também por jogarem sob forte calor. "Em determinados momentos, o campo atrapalhou um pouquinho. Estava muito quente. Senti calor sentado no banco, imagina os jogadores lá dentro. É difícil manter o ritmo jogando aqui."

Quanto ao próximo jogo do Cruzeiro, no meio de semana, pela Copa do Brasil (contra o Murici-AL, Mano garantiu o retorno do meia Thiago Neves, que só entrou no segundo tempo no domingo. Léo e Ariel Cabral também devem voltar após serem poupados no fim de semana.

"Não vamos mexer em número muito grande. Temos condições para suportar os jogos. Vamos levar o desgaste dos jogadores em consideração em Murici. O Léo já estava com um desgaste, Ariel também. Ainda é cedo para o Thiago Neves jogar quinta e domingo. É provável que ele inicie o próximo jogo e algum jogador do setor fique fora", projetou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.