Mano critica árbitro após derrota: 'Sempre teve um lado'

Mano critica árbitro após derrota: 'Sempre teve um lado'

Treinador reclama dos dois pênaltis marcados por Wilton Pereira Sampaio, acaba expulso e briga com a torcida do Corinthians

MARCIO DOLZAN, O Estado de S. Paulo

30 de novembro de 2014 | 20h36

O técnico do Corinthians, Mano Menezes, não poupou críticas à arbitragem após seu time levar 5 a 2 do Fluminense, neste domingo, no Maracanã, pelo Campeonato Brasileiro. Segundo o treinador, "a arbitragem sempre teve um lado" e errou na marcação das duas penalidades.

"O que descontrolou (a equipe) foram as duas penalidades máximas, que foram muito próximas. E a gente revendo as imagens tem a mesma opinião que tivemos durante o jogo: nenhuma das duas foi. O Gil coloca a perna e o jogador se projeta à frente, isso é mais velho que andar para a frente. Mas o árbitro estava com vontade de marcar, ele marcou rápido", afirmou Mano.

"Desde o início do jogo ele (árbitro) estava com vontade de marcar algumas coisas. A arbitragem sempre teve um lado, e para o outro lado ela tinha interpretações diferentes. Não foi uma arbitragem que errou num lance isoladamente", considerou o técnico.

Apesar das críticas à arbitragem, Mano Menezes reconheceu que o Corinthians deixou de matar o jogo quando teve oportunidade. "Fizemos um gol e tivemos outras oportunidades de construir jogadas para fazer mais. Da metade do primeiro tempo em diante começamos a errar demais na transição de jogo, ora a equipe fazendo a escolha errada, ora dando um calcanhar que não precisava. O gol de empate deu mais tranquilidade ao Fluminense, e nossos erros deram maior tranquilidade ao Fluminense", avaliou Mano.

A goleada diante do Fluminense deixou a equipe paulista na quarta colocação do Brasileiro, e agora o time precisará secar o Internacional se quiser uma vaga direta à Libertadores do próximo ano.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCorinthiansMano Menezes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.