Mano diz que árbitros estão complicando o Corinthians

Para o treinador, os erros da arbitragem têm prejudicado o time na disputa da Série B

Redação

12 de julho de 2008 | 19h33

O técnico Mano Menezes foi discreto nas palavras, mas ferrenho no conteúdo, ao criticar a arbitragem de Guilherme Cereta de Lima, no empate por 1 a  1 com o Santo André, neste sábado, quando não teriam sido marcados cinco pênaltis para o Corinthians, segundo o treinador.Veja também: Marcelinho marca para o Santo André, e Corinthians só empata Blog Bate-Pronto: Como parar o Corinthians?"É 'complicado' o que se viu hoje [sábado]. O Corinthians vence fazendo um campeonato irrepreensível, mas não graças ao que tem acontecido, e que voltou a acontecer", disse Mano. "O justo é que o time que esteja melhor consiga os melhores resultados. E o Corinthians investiu e está fazendo um trabalho melhor. Espero que não haja novos erros de arbitragem", pediu."É claro que sempre é possível discordar do ponto de vista em um lance ou outro, mas cinco vezes no mesmo jogo, e sempre para o mesmo lado, é mais complicado", continuou o treinador."Em outro jogo levamos oito cartões amarelos, algo que eu nunca tinha visto na vida. E hoje [sábado] temos cinco pênaltis. E coincidentemente estávamos com seis pontos na frente nessas duas partidas. Estranho isso, não?", disse Mano. O duelo a qual se referiu foi contra a Ponte Preta, há três semanas. Foi o primeiro jogo em que não venceu na Série B, terminou 1 a 1, e oito atletas receberam o cartão amarelo."Acabou o jogo e eu fui falar para o árbitro que ele veria o jogo pela TV e veria o quanto errou. As arbitragens seguem muito fracas", disse o zagueiro Chicão, que recebeu o terceiro cartão amarelo e não enfrenta o Bahia, sábado que vem, no Pacaembu. Dentinho, expulso, também não atua.VOLTA POR CIMAAutor do gol de empate corintiano, Wellington Saci comemorou o que para ele foi a redenção. Marcado pela expulsão boba na final da Copa do Brasil, contra o Sport, o jogador acha que vai poder cavar um lugar na equipe."Eu estava desacreditado, sem muita empolgação por aquela falha. Mas saber que o técnico Mano Menezes confiou em mim foi muito importante".(Com Marcel Rizzo, do Jornal da Tarde)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.