Mauro Pimentel / AFP
Mauro Pimentel / AFP

Mano diz que Cruzeiro terá força máxima contra o Bahia no Brasileirão

Treinador está preocupado pelo jejum de quatro jogos na competição nacional

Estadão Conteúdo

17 Agosto 2018 | 20h26

Preocupado com a situação do Cruzeiro que não vence há quatro jogos no Campeonato Brasileiro, o técnico Mano Menezes disse nesta sexta-feira que mandará o time com força máxima para a partida contra o Bahia, domingo, às 16h, no estádio do Mineirão, pela 19ª rodada da competição nacional.

A única baixa certa será o meia Arrascaeta, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Rafinha e David são os principais candidatos a assumir a vaga. O lateral-direito Edílson se recupera de problema muscular e é dúvida. Ezequiel pode surgir em seu lugar. O restante da equipe será a titular.

"Sobre o meio-campo, vamos ver. Tenho que ver alguns jogadores que ainda não vi nessa função, para que, daqui a pouco, quando o Arrascaeta for para a seleção (uruguaia), eu já tenha um substituto. Temos um meia pelo lado direito, e eu vou escolher um jogador mais agudo para ocupar o lado esquerdo", disse Mano em referência as opções de Rafinha e David.

O Cruzeiro vem de uma importante classificação no meio de semana. Apesar de perder por 2 a 1 para o Santos no tempo regulamentar, a equipe mineira venceu nos pênaltis por 3 a 0 e garantiu vaga nas semifinais da Copa do Brasil - na próxima fase enfrentará o Palmeiras. Agora, o foco do treinador é encerrar a sequência de três derrotas e um empate no Brasileirão.

Com os maus resultado, o Cruzeiro ocupa a oitava colocação no Campeonato Brasileiro, com 25 pontos, e está a 13 de distância do líder São Paulo. Mano Menezes admite que será difícil buscar o título, ainda mais se o time mineiro seguir avançando na Copa do Brasil e na Libertadores. Na competição continental, o Cruzeiro venceu o Flamengo por 2 a 0, fora de casa, no jogo de ida das oitavas de final - a volta está marcada para o dia 29.

"Se seguirmos nas nossas competições, vamos ter 34 jogos. São 15 jogos a mais no mesmo período (do que quem disputa apenas o Campeonato Brasileiro). É lógico que isso vai influenciar, mas é futebol. Vamos fazer o melhor que a gente pode. Vamos tentar uma reação, porque é possível acontecer, e depois, na frente, vamos ver se direcionamos mais para cá ou para lá", afirmou o treinador.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.