Paulo Pinto/AE
Paulo Pinto/AE

Mano diz que só vai dar folga na concentração se título vier

Técnico evita polêmica com Ronaldo e afirma que o Corinthians está concentrado na final da Copa do Brasil

Evandro Fadel, O Estado de S. Paulo

30 de junho de 2009 | 14h42

O técnico do Corinthians, Mano Menezes, não quis alimentar qualquer polêmica sobre o posicionamento do atacante Ronaldo, que propôs o fim das concentrações caso o Corinthians consiga o título da Copa do Brasil e uma vaga para a Libertadores da América, no jogo desta quarta-feira contra o Internacional.

 

Veja também:

linkWilliam agradece confiança de Mano no Corinthians

linkAndré Santos vê Corinthians preparado para decisão

lista Todas as notícia da final da Copa do Brasil

 

"Fechei o negócio com ele na hora", afirmou o técnico, nesta terça-feira, em entrevista coletiva. "Se conquistar o título, a gente vai ter folga na concentração. É um negócio mais que justo."

 

Segundo o técnico corintiano, o atacante é "muito inteligente" e acabou criando esse fato para agitar um pouco a final. "Em uma hora como essa, a gente não pode ficar muito calmo do lado de cá, uma decisão não é para ficar muito calmo e a gente estava meio calma demais", disse Mano Menezes.

 

O treinador reconheceu que realmente houve muita concentração na reta final da Copa do Brasil, por coincidir com o Campeonato Brasileiro e pelo acúmulo dos jogos finais do Paulista. "É um sacrifício explicável num momento como esse", ponderou.

 

Ele destacou que não somente os jogadores, mas ele próprio gosta de ficar com a família. "Mas, em determinados períodos, o futebol exige mais da gente", afirmou. O técnico avaliou que os resultados após as concentrações mais longas foram sempre muito bons. "Respeito para isso a mesma coerência que respeito para a formação da equipe", ressaltou.

 

"A formação que a gente vem usando tem dado bom resultado, por isso tem que ser coerente com isso e manter para o jogo mais importante."

 

Segundo ele, Ronaldo e os outros jogadores sabem por que se concentram. "Quando entender que a ajuda é importante, vamos proceder da mesma maneira", afirmou.

 

De acordo com ele, a permanência por cinco dias em Curitiba deve-se à coincidência de que o jogo contra o Atlético Paranaense, pelo Campeonato Brasileiro, fosse entre as duas partidas decisivas. "Se estivéssemos em São Paulo concentraríamos na segunda-feira à noite, mas não se justificaria voltar para São Paulo e depois ir para Porto Alegre", argumentou. "A intenção na concentração é não apenas manter os jogadores no hotel, mas cuidar da alimentação, do repouso, e sabemos que em casa não tem condições de fazer."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.