Arquio/AE - 27/2/2008
Arquio/AE - 27/2/2008

Mano é diplomático ao comentar 'não' do Flu à CBF

'Não durmo e não acordo pensando em seleção brasileira. Penso apenas no clube', diz o treinador

FÁBIO HÉCICO - O Estado de S. Paulo

23 de julho de 2010 | 18h24

Principal favorito para assumir o cargo de treinador da seleção brasileira, antes do convite feito pela CBF a Muricy Ramalho na manhã desta sexta-feira, Mano Menezes chegou cabisbaixo ao treino do Corinthians. A desculpa foi uma pequena irritação na garganta, que inclusive lhe impediria de dar entrevista após o treinamento.

Veja também:

especialConfira a trajetória da carreira de Muricy

BATE-PRONTO - Muricy Ramalho é o técnico certo para a seleção?

linkLula aprova Muricy e comemora permanência de Mano no Corinthians

linkRicardo Teixeira confirma convite a Muricy para assumir a seleção

link Fluminense endurece e não libera Muricy para a seleção brasileira

No entanto, uma conversa com o assessor no final da movimentação mudou um pouco a feição do treinador, que ficou ainda mais pensativo. Pouco depois, Mano Menezes resolveu falar com a imprensa, já em grande número para acompanhar um simples treino do Corinthians. Ao chegar a sala de imprensa, Mano espantou-se com a quantidade de repórteres, que estavam lá exatamente para perguntar sobre o "não" do Fluminense, a respeito da liberação de Muricy Ramalho para a seleção brasileira.

"Vim aqui para o treino com o Muricy como técnico da seleção, acreditando ser uma ótima escolha para a seleção. É um ótimo técnico e o trabalho que vem fazendo no Fluminense é prova da qualidade do trabalho dele", disse Mano, que voltou a afirmar que nunca recebeu convite para treinar o selecionado brasileiro.

"Tudo isto mostra que ainda tem gente no futebol que fala a verdade. Passei muito tempo desmentindo que não havia nenhuma conversa e desmentindo muita gente que falava o contrário", disparou o treinador.

Com a negativa do Fluminense em liberar Muricy Ramalho, o nome de Mano voltou a ser especulado, mas ele não quer falar sobre o assunto. "Não durmo e não acordo pensando em seleção brasileira. Penso apenas no clube e fazer um bom trabalho aqui."

Encostado na parede, Mano foi evasivo. "Não estava na expectativa e esta historia não aumentou meus batimentos nem hoje e nem outro dia por que vivo situações claras e nada mudou. Já respondi mais de 100 vezes que comentar qualquer possibilidade é ficar se oferecendo. Isto não é certo. Quando receber o convite, decido se aceito ou não e conversa com o time à respeito. E o clube também só decide quando tem a proposta. Para não haver constrangimento."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.