Mano é suspenso do jogo final, mas Corinthians recorre

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) puniu o técnico Mano Menezes com a suspensão de um jogo pela expulsão contra o Fluminense no último domingo. Isso significa que, se o recurso do Corinthians não for aceito, o treinador não poderá estar no banco de reservas do Itaquerão, neste sábado, contra o Criciúma. A partida deverá ser a última do treinador como técnico do Corinthians, já que seu contrato termina em dezembro e não deverá ser renovado.

GONÇALO JÚNIOR, Estadão Conteúdo

05 de dezembro de 2014 | 18h25

Os auditores da Quarta Comissão Disciplinar entenderam que o técnico do Corinthians desrespeitou os membros da arbitragem. O julgamento foi realizado na manhã desta sexta-feira, mas cabe recurso. "O Mano foi suspenso por um jogo, mas de pronto entramos com recurso. Aguardamos o relator se manifestar até às 19h desta sexta ou até o meio-dia de amanhã. Se isso não acontecer, ele não poderá comandar o time", afirmou o advogado do Corinthians, João Zanforlin.

Mano Menezes foi expulso no segundo tempo da goleada do Fluminense por 5 a 2 por reclamações contra as decisões da arbitragem. Além de citar as palavras ditas pelo treinador, o árbitro Wilton Pereira Sampaio narrou na súmula a resistência do treinador para deixar o banco. Mano foi denunciado por infração ao artigo 258 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) e punido com um jogo de suspensão por maioria dos votos. Apesar de ser primário, Mano não teve sua punição convertida em advertência.

Os auditores também julgaram e puniram outras infrações da mesma partida. Por ofender a arbitragem, o supervisor do Corinthians, Saulo Magalhães, foi punido com 30 dias de suspensão e multa de R$ 1 mil, enquanto o Fluminense terá que desembolsar R$ 2 mil por atraso no retorno da equipe para o segundo tempo. O atleta Marlon, do Fluminense, foi absolvido da denúncia de jogada violenta, após ser expulso no confronto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.