Vinnicius Silva / Cruzeiro
Vinnicius Silva / Cruzeiro

Mano elogia atuação de time reserva do Cruzeiro no clássico e prevê evolução

Técnico vê empate em 0 a 0 com o Atlético Mineiro como justo

Estadão Conteúdo

17 Setembro 2018 | 08h14

A boa atuação do time alternativo do Cruzeiro no empate sem gols contra o rival Atlético Mineiro, neste domingo à tarde, no Mineirão, deixou o técnico Mano Menezes confiante de que a equipe ainda tem uma margem de crescimento até o final da temporada, principalmente nos jogos decisivos que fará pela Copa do Brasil e pela Copa Libertadores. Na próxima quarta-feira vai enfrentar o Boca Juniors, na Argentina, pelas quartas de final da Copa Libertadores.

"Algum jogador pode aproveitar a chance e ajudar o time a evoluir. Estou satisfeito com o que estamos apresentando nas Copas, mas sabemos que a situação vai apertar, porque o funil está fechando. Agora aumenta a pressão e o time vai ser exigido em condições adversas", alerta o técnico, em entrevista coletiva, sempre demonstrando confiança no trabalho conjunto desenvolvido dentro do clube.

"Nós chegamos nesta boa condição graças ao profissionalismo dos jogadores, da comissão técnica, dos médicos, fisiologistas e preparadores, enfim, de todos", afirmou Mano Menezes ao enaltecer o empenho de todos no clube. No caso da Libertadores, ele só pode escolher 18 jogadores para cada jogo. Mas acha que é a filosofia de trabalho que tem funcionado. "Tudo é importante no futebol. Às vezes são decisões que ficam soltas e que o grupo não aceita. Mas nosso grupo tem aceitado bem tudo que colocamos para eles, dentro de um comprometimento por uma causa maior", destacou.

Sobre o clássico, especificamente, ele acredita que o resultado de 0 a 0 foi justo e reforçou que escalou o time que considerou adequado para esta situação. "A produção foi boa porque foi escalado o time mais inteiro. Esta produção é que me dá segurança para mexer no time quando é necessário. Nosso time foi mexido e mesmo assim se manteve forte diante de nosso maior rival", analisou. "A gente força a terminologia titular e reserva, mas na verdade existe um time escolhido para os jogos prioritários. O todo é importante", reforçou.

Mano também destacou a volta de Sassá, que surge como uma excelente opção para o ataque cruzeirense. "Ele deu força ao ataque porque tem carisma, porque chama a bola. Já entrou um pouco hoje (domingo) e vamos prepará-lo para começar os jogos", concluiu.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.