Paulo Vítor/AE
Paulo Vítor/AE

Mano elogia Neymar por decisão de ficar no Santos

Técnico da seleção já havia dito antes que não era o melhor momento para o jovem craque deixar o futebol brasileiro

AE, Agência Estado

20 de agosto de 2010 | 15h02

O técnico Mano Menezes comemorou nesta sexta-feira, durante a entrevista coletiva que deu para comentar a sua segunda convocação à frente da seleção brasileira, o fato de o atacante Neymar ter anunciado, no dia anterior, que recusou a proposta do Chelsea para seguir atuando pelo Santos.

Veja também:

linkFalta de opções deixou Brasil sem rivais, justifica Mano

linkJogadores da Europa são chamados por Mano para treinos com a seleção

blog BATE-PRONTO - Jogadores vão opinar em decisões

Grande destaque da vitória de 2 a 0 sobre os Estados Unidos no último dia 10, em Nova Jersey, no jogo que marcou a estreia de Mano na seleção, Neymar acabou satisfazendo indiretamente um desejo do próprio treinador, que já havia dito antes que não era o melhor momento para o jovem craque deixar o futebol brasileiro.

"Fico feliz com o desfecho final porque falamos muito sobre isso durante este período. Tive a oportunidade de falar com o Neymar na segunda-feira em um evento em que participamos juntos e senti nele a vontade de ficar no Santos. Eu sempre penso que, se pudéssemos, mas ainda não temos condição de fazer isso, os jogadores deveriam permanecer num período maior no País por uma serie de razões", afirmou Mano Menezes.

Além de elogiar a decisão do atacante do Santos, Mano disse que a permanência de jogadores de peso no Brasil e o retorno de outros brasileiros de destaque no futebol estrangeiro ao País são fatos que deverão se tornar mais comuns de acordo com a proximidade da disputa do próximo Mundial, que será realizado em solo nacional.

O comandante expôs essa opinião ao comentar o exemplo do Flamengo, que acaba de anunciar as contratações dos atacantes Deivid e Diogo, que estavam atuando no futebol europeu. "Gosto muito dessa ideia e vai acontecer com muito mais intensidade à medida que a Copa de 2014 se aproxima. A ordem do futebol direciona as atenções para o Brasil, o mercado vai estar mais aquecido, e os jogadores, com interesses pessoais óbvios, querem ser mais bem vistos, com uma condição melhorada sobre seu trabalho", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.