Mano elogia postura do time, mas critica arbitragem

Técnico reclama de pênalti marcado para o Oeste na goleada do Corinthians por 4 a 1

AE, Agencia Estado

31 de janeiro de 2009 | 19h48

O Corinthians recebeu o Oeste no Pacaembu neste sábado e goleou com facilidade. Se na vitória por 4 a 1 o ataque desperdiçou muitas oportunidades, ao menos o técnico Mano Menezes pôde comemorar uma atuação quase perfeita do sistema defensivo corintiano. "Isso é melhoria. O grande advento que nós temos que comemorar do jogo", afirmou o treinador.Veja também: Corinthians goleia o Oeste e dorme líder do Paulistão Paulistão 2009 - Tabela e classificaçãoConfira as novidades do mercado do futebol Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão A atuação da zaga só não foi perfeita porque Chicão cometeu pênalti em Ademar, que Dias converteu e marcou o único gol do Oeste na partida. Mesmo feliz com o desempenho de seu time na defesa, Mano não perdeu a chance de criticar a marcação da penalidade. "Teve um chute que o Felipe defendeu e teve o pênalti, que é bom ressaltar, na minha opinião não houve absolutamente nada", disse.Convicto de que o árbitro Rodrigo Martins Cintra errou ao marcar a penalidade contra o Corinthians, Mano ainda explicou o seu raciocínio. "A pressão por causa do André (Santos) foi tão forte que qualquer coisa você (o árbitro) já corre para a marca (do pênalti)", disse o treinador, em referência ao jogo contra o Botafogo, em que o lateral-esquerdo corintiano cometeu penalidade não assinalada pela arbitragem.Deixando de lado a insatisfação pelo erro de Cintra, Mano aproveitou para passar confiança ao centroavante Souza, que marcou seu primeiro gol pelo Corinthians em jogos oficiais, ao converter uma penalidade no fim do jogo. Antes, havia perdido ao menos três chances claras, mas o técnico acredita que isso é coisa de "momento". "Eu fico chateado, mas nós sabemos que isso não é deficiência técnica. É momento", afirmou Mano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.