Juliana Flister/AP
Juliana Flister/AP

Mano exalta goleada do Cruzeiro e estratégia de 180 minutos contra time chileno

Resultado de 7 a 0 contra a Universidad de Chile coloca o time mineiro na zona de classificação para a próxima fase da Libertadores

Estadão Conteúdo

27 de abril de 2018 | 08h54

Após uma semana de críticas pela falta de gols contra a Universidad de Chile, em Santiago, o Cruzeiro terá pela frente agora uma semana de elogios por conta do contundente 7 a 0 aplicado no mesmo time chileno, na noite desta quinta-feira, pelo Grupo E da Copa Libertadores.

+ TEMPO REAL: Confira como foi o jogo no Mineirão

+ Tabela da Copa Libertadores

Ao fim da vitória no Mineirão, em Belo Horizonte, o técnico Mano Menezes exaltou a goleada e disse que os dois resultados contra a equipe chilena fizeram parte de um planejamento de 180 minutos, que considerou bem-sucedido.

"Disse antes do jogo da La U, que seria um jogo de 180 minutos. Que teríamos que nos cuidar nos primeiros 90 lá. Fazer no mínimo um ponto. Disse para vocês [jornalistas] e para os jogadores. As pessoas pensam que é fácil ganhar fora na Libertadores. Eu penso que é difícil", afirmou o treinador.

"Traçamos uma estratégia pensando em fazer no mínimo os quatro pontos. Hoje [quinta]iniciamos bem, roubamos bola, isso nos deu uma vantagem inicial de 2 a 0, que abriu uma tranquilidade para o time e para o torcedor que veio ao estádio. Uma vitória que nos deixa feliz por ter nos colocado de novo na disputa", comemorou.

Apesar da facilidade, Mano valorizou o adversário. "Do outro lado também tem um time que trabalha, com gente competente, com jogadores de qualidade. Hoje, em certo momento, eles saíram tocando bem, porque têm qualidade. Gostamos sempre de roubar a bola na frente. É muito melhor para os atacantes apertar mais lá, não ter que baixar tanto para defender. São jogadores que têm muita qualidade e muito talento, mas, às vezes, não conseguimos encaixar", explicou.

O treinador cruzeirense admitiu surpresa com a postura do adversário, que se manteve no ataque mesmo quando estava com dois jogadores a menos em campo. "Se eu tivesse tomando 3 a 0, com dois a menos, não deixaria o meu time atacar. Porque existe uma diferença muito grande entre 3 a 0 e 7 a 0. Sete a zero é algo marcante, quase que para o resto da vida. Essa é a maior goleada da história do Cruzeiro. Um clube centenário, que é um dos maiores vencedores na Libertadores. Não é fácil de se fazer", afirmou.

O resultado colocou o time mineiro na zona de classificação para a próxima fase, em segundo lugar da chave, com os mesmos cinco pontos do adversário, que caiu para a terceira posição por ter pior saldo de gols (5 a -6).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.