Washington Alves / LightPress / Cruzeiro
Washington Alves / LightPress / Cruzeiro

Mano exalta goleada do Cruzeiro, mas cobra 'maturidade'

"Em um determinado momento do segundo tempo deixamos o jogo ficar lá e cá", disse o treinador

Estadão Conteúdo

25 Janeiro 2018 | 10h54

O técnico Mano Menezes não deixou de fazer uma avaliação positiva da goleada de 4 a 0 que o Cruzeiro aplicou no Uberlândia, na noite desta quarta-feira, no Mineirão. Ainda mais porque o resultado garantiu a sua equipe na liderança do Campeonato Mineiro. Mas o treinador apontou oscilações e falta de maturidade do time no decorrer do segundo tempo da partida.

+ Confira a classificação do Campeonato Mineiro

"Temos que cuidar um pouquinho para não exagerar. Num determinado momento do segundo tempo deixamos o jogo ficar 'lá e cá', e isso não serve para quem está ganhando de 2 a 0. Serve para quem está perdendo por 2 a 0. Se ficar na ânsia de fazer o terceiro, desestrutura a equipe e cede o contra-ataque ao adversário. Então isso é a maturidade que a gente precisa ter para todos os jogos", cobrou o treinador.

Apesar do "puxão de orelha", Mano ficou satisfeito com o que viu em campo. "A base foi qualificada e isso começa a se ver na variação de jogadas que temos. Melhorou o repertório, era o que queríamos. São jogadores que naturalmente se entendem e tudo tem a ver com as características e qualidade individual. Fizemos quatro, poderíamos ter feito seis. Acho que isso deixa bem claro a qualidade que temos."

Na avaliação de Mano, as três primeiras rodadas já revelam a consistência do time para o restante da temporada. "O mais importante é que o Cruzeiro começou bem o campeonato. E assim as individualidades aparecem. Fizemos novamente uma boa partida, contra um bom adversário, melhor que o da estreia. Tenho certeza que a atuação deixou o público, mais uma vez maravilhoso para um Campeonato Mineiro, muito feliz. Esse é o nosso objetivo."

Individualmente, Mano evitou comentar o jejum de gols do atacante Fred, que ainda não marcou em seu retorno ao time. E elogiou a estreia do lateral-direito Edílson. "Vamos ter muitas oportunidades boas para os laterais criarem jogadas boas. Eles precisam revezar e não precisam apoiar ao mesmo tempo. O referencial dos dois é onde o companheiro está do outro lado. Assim eles vão revezando e assim sobra qualidade para todo mundo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.