Eduardo Valente/Cruzeiro
Eduardo Valente/Cruzeiro

Mano faz mistério e confirma apenas Alisson como titular na decisão

Cruzeiro enfrenta o Flamengo na disputa pelo título da Copa do Brasil

Estadão Conteúdo

26 de setembro de 2017 | 19h06

Na véspera do segundo jogo da decisão da Copa do Brasil, o técnico Mano Menezes fez mistério e optou por esconder a escalação do Cruzeiro para encarar o Flamengo. O comandante celeste confirmou como titular apenas o meia Alisson, recuperado de lesão, para o confronto que acontecerá nesta quarta-feira, às 21h45, no Mineirão.

"O único jogador que está confirmado é Alisson. Os demais eu me reservo no direito, passar 1h15min antes do jogo. Dúvida por dúvida, os dois lados têm bastante. Nós vamos manter o que fizemos. Quando passo um nome para vocês, é porque é verdadeiro. E se não o faço, é assim que a gente acredita", declarou nesta terça.

Alisson sofreu um entorse no ligamento colateral medial do joelho direito na vitória sobre a Chapecoense no último dia 10. De lá para cá, o meia vinha fazendo tratamento, preservado para a decisão. Em relação ao restante da equipe, Mano considerou que o mistério faz parte do planejamento. "A gente fez um planejamento para esse jogo de quarta, que é uma final. Entre o que pensamos, alguns jogadores precisavam se recuperar, fizemos um jogo-treino na sexta-feira. E outros jogadores precisavam ganhar ritmo Individualmente, buscamos estar o melhor possível para que o coletivo tivesse mais opções, teremos todas elas à disposição", afirmou.

A principal dúvida está no ataque. Com Rafael Sóbis suspenso e Sassá impossibilitado de jogar, Raniel é o favorito para a posição, mas Mano pode ser mais conservador e optar pela entrada de Arrascaeta, autor do gol do empate por 1 a 1 na ida, no Maracanã. Assim, o Cruzeiro deve entrar em campo com: Fábio; Ezequiel, Léo, Murilo e Diogo Barbosa; Henrique, Hudson, Robinho, Thiago Neves e Alisson; Raniel (Arrascaeta).

Independente da formação, Mano admitiu a ansiedade na véspera da decisão. "Quando perder esse frio na barriga, está na hora de ir para casa. Não existe tranquilidade em decisão. Tem que haver dose de atenção, de responsabilidade, aumenta a disposição, o que torna esses jogos diferentes dos demais. Para o treinador, não é diferente. O lance é chegar no ponto ideal."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.