Mano festeja segurança defensiva do Cruzeiro, mas freia euforia com luta por G4

A série de oito jogos sem derrotas do Cruzeiro no Campeonato Brasileiro está diretamente relacionada com a ótima fase do sistema defensivo, tanto que o time só sofreu dois gols nos últimos cinco duelos. Satisfeito com o bom rendimento, o técnico Mano Menezes divide os méritos pela segurança defensiva com os jogadores, que entenderam a sua proposta de jogo.

Estadão Conteúdo

29 de outubro de 2015 | 15h09

"Costumo dizer que não existe isoladamente sistema defensivo, existe processo defensivo. Realmente, começa com os homens da frente. Isso faz que adversários tenham dificuldade de passar da primeira linha e quando chega na última as coisas estão mais controladas. Torcedores já enxergam sem trauma. Por isso temos sofrido poucos gols, não tem feito muitos, mas melhorou o saldo", afirmou.

A invencibilidade afastou o Cruzeiro do risco de rebaixamento - o time tem 11 pontos de vantagem para a zona de descenso - e faz até jogadores acreditarem na possibilidade de classificação para a próxima edição da Copa Libertadores. Mano, porém, freia a euforia ao lembrar que o time está a seis pontos do G4.

"Nós nos propusemos a fazer uma reação, conseguimos fazer, baseado na melhora de rendimento da equipe, que dá confiança, principalmente para torcedor. Temos de passar por outros estágios. Temos G10, Sul-Americana. Temos degraus para subir. Só lá frente pensar em outra coisa. Gosto da empolgação, mas não vamos perder o foco. Conhecemos o Brasileiro, a dificuldade que ele traz rodada a rodada. Queremos terminar o Brasileiro bem, o quanto isso vai produzir em colocação, temos de esperar para fazer uma avaliação fina", declarou.

Para manter vivo esse sonho, o Cruzeiro tentará superar o Avaí no próximo sábado, em Florianópolis, pela 33ª rodada do Brasileirão. Mano prevê um duelo complicado, ainda mais pelas condições do campo da Ressacada.

"Sabemos como é difícil jogar na Ressacada. Teremos mais chuva na sexta e o gramado já está castigado. Penso que será um jogo mais disputado, mais aguerrido, porque a tendência é a bola subir mais, ter de usar mais força física, estamos preparados para isso", disse

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCruzeiroMano Menezes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.