Mano ironiza rivais frágeis e sugere duelo com Espanha

O técnico Mano Menezes indicou, nesta quinta-feira, que nem ele está satisfeito com os amistosos marcados pela CBF para a seleção brasileira. Depois de receber África do Sul e China, a equipe vai jogar em outubro diante dos asiáticos Japão e Iraque, em partidas de pouco apelo. Por conta disso, ele ironizou a goleada por 8 a 0 sobre os chineses e indicou que não tem medo de adversários mais duros, sugerindo um confronto diante da Espanha.

AE, Agência Estado

27 de setembro de 2012 | 16h45

Perguntado sobre a possibilidade de o Brasil repetir, contra o Iraque, o resultado do jogo diante da China, Mano ironizou: "Penso que não devemos ganhar de 8 a 0 mais de ninguém, porque fomos criticados porque ganhamos de oito", disse ele, já prevendo uma partida difícil contra o time de Zico. "Não vamos pensar que encontraremos facilidade como encontramos contra a China."

Quando perguntado sobre a influência de jogos contra rivais frágeis como Iraque (dia 11, em Malmo, na Suécia) e Japão (dia 16, Wroclaw, na Polônia), ele evitou criticar as escolhas da CBF e chegou a pensar duas vezes antes de responder. "Agora vamos jogar contra Iraque e Japão, que serão as duas seleções que... (pausa) serão nossos adversários."

Depois, sugeriu que o Brasil atue diante da Espanha, atual campeã do mundo e bi da Eurocopa. "Para mim, poderia jogar sempre contra os melhores do mundo, mas é possível isso acontecer. Alias, alguns dias atrás eu vi uma matéria da intenção de Casillas de jogar contra a seleção brasileira, a matéria dizia que ele pediria para a federação espanhola. Seria ótimo se a gente pudesse jogar mesmo, é um parâmetro importante para a seleção brasileira", explicou.

Sobre seu futuro na seleção, Mano Menezes foi perguntado se acha possível chegar à Copa sem nenhum título. Depois de pensar muito, respondeu sucintamente: "Pretendo que a seleção brasileira conquiste a Copa das Confederações". Ele também afirmou que nunca pediu garantias de que ficaria no cargo até terminada data. "Como diz o chavão: ''La garantía soy yo''. Sei o que tenho que fazer para estar aqui, chegar na Copa do Mundo."

SUPERCLÁSSICO - Mano Menezes também falou sobre a convocação para o jogo da próxima quarta-feira, em Resistência (Argentina), contra a seleção da casa, pelo Superclássico das Américas. Ele avisou que a convocação é a mesma da partida de ida, em Goiânia, e indicou que sua preocupação é com Luis Fabiano, que foi titular do Brasil no primeiro jogo.

"A gente está acompanhando a situação de Luis Fabiano, mas estamos esperando o posicionamento oficial. Ele ficou fora do jogo anterior e está em um processo de recuperação. A rodada de domingo pode influenciar de uma decisão de última hora", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.