Adam Hunger/Reuters
Adam Hunger/Reuters

Mano Menezes aprova atuação e vê seleção na 'direção correta'

Treinador valorizou o padrão de jogo da equipe no empate em 1 a 1 contra a Colômbia

Agência Estado

15 de novembro de 2012 | 10h09

NOVA JERSEY - Depois de ver o Brasil empatar por 1 a 1 com a Colômbia, em Nova Jersey, nos Estados Unidos, o técnico Mano Menezes aprovou o desempenho dos seus comandados no confronto que marcou a milésima partida da história da seleção brasileira. O treinador deixou em segundo plano o pênalti perdido por Neymar, que poderia ter dado a vitória de virada ao time nacional, e valorizou o padrão de jogo da equipe.

 

"Gostei de um modo geral, poderíamos ter vencido, mas às vezes não se vence. Desperdiçamos uma penalidade máxima com Neymar, mas de modo geral gostei da seleção porque fez 59% a 41% de posse de bola, criou bastantes oportunidades novamente. Estamos ajustando essa maneira de jogar que escolhi para os últimos jogos e a resposta que o Brasil me deu contra a Colômbia confirma que estamos na direção correta", ressaltou o técnico, em entrevista coletiva.

 

O fato, porém, é que, sob o comando de Mano, a seleção brasileira ainda não venceu um adversário que ocupa um lugar no Top 10 do ranking da Fifa - os colombianos figuram hoje na oitava colocação. Nem por isso o comandante criticou Neymar pelo pênalti que o atacante do Santos chutou muito por cima da meta colombiana no segundo tempo do amistoso da última quarta.

 

"Sabemos o que aconteceu e obviamente ele vai passar por cima disso como passa por cima dos zagueiros na maioria dos jogos", disse o treinador, que também eximiu Leandro Castán de responsabilidade pelo gol colombiano. O ex-jogador do Corinthians e hoje da Roma atuou mais uma vez improvisado na lateral esquerda e o gol do rival saiu em jogada no qual o lateral Cuadrado invadiu a área pela direita, ao lado de Castán, e finalizou cruzado. "Não temos que achar culpados", enfatizou Mano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.