Mano Menezes defende uruguaio Acosta e elogia adversário

Para o treinador, trabalho no Corinthians é bem conduzido e os torcedores não podem se desesperar

20 de janeiro de 2008 | 20h58

Apesar de ter sido facilmente batido pelo São Caetano neste domingo, Mano Menezes evitou falar em mudanças na equipe na próxima partida. Ponderado, o técnico corintiano atribui o resultado negativo ao péssimo primeiro tempo do time e à qualidade do adversário. Veja também: Classificação Calendário / Resultados Crônica do jogo: São Caetano 3 x 1 Corinthians "O São Caetano é mais equipe que o Guarani, e estivemos um pouco abaixo do que podemos produzir", disse Mano Menezes. "Nossa linha defensiva ficou muito distante da linha de frente. No segundo tempo, arriscamos mais e por isso sofremos os contra-ataques", afirmou. Segundo Mano, não é momento para desespero. "Como na vitória não encontrei 5, 6 craques aqui, hoje [domingo] não tem 5, 6 pernas de pau", afirmou.  Mano também defendeu o uruguaio Acosta, que teve atuação apagada e ainda marcou um gol contra. "Ele está abaixo da sua condição física, está sem explosão. E natural que nós vamos apresentar queda [de produção]. Ele está dentro desse contexto." O lateral-esquerdo André Santos disse que o Corinthians demorou para "entrar" na partida. "No primeiro tempo, deixamos o São Caetano fazer tudo o que queria. Quando acordamos, já estava 2 a 0", afirmou. O Corinthians, que volta a treinar na tarde desta segunda-feira no Parque São Jorge, deve acertar a troca de Eduardo Ratinho por Fabinho com o Toulouse, da França, e continuar a busca por um meia-armador.

Tudo o que sabemos sobre:
CorinthiansMano Menezes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.