Rodrigo Coca/Ag. Corinthians
Rodrigo Coca/Ag. Corinthians

Mano Menezes deve mexer na criação para 'reerguer' o Corinthians

Treinador reconhece que armação não está dando conta do recado e pode dar nova chance a Danilo ou Jadson diante do Atlético-MG  

Fábio Hecico, O Estado de S. Paulo

29 de setembro de 2014 | 06h00

Mano Menezes nem pensa em utilizar três atacantes no Corinthians. Mesmo precisando de gols na quarta-feira, diante do Atlético-MG, pela Copa do Brasil. Em busca de uma vitória no “primeiro tempo” da decisão das quartas de final, ele dedicará todo o trabalho destes dias para “encontrar” uma dupla de armadores que faça a bola chegar na frente.

Desde o retorno dos jogos após a Copa do Mundo, Mano vem perdendo o sono para fazer o Corinthians criar. E não é por falta de modificações, já que ele utilizou todas as suas peças. Mas ainda não conseguiu casar uma dupla e, essa incerteza de quem são os donos da posição, parece mexer no desempenho dos jogos. O time vive um efeito gangorra, no famoso ganha, empata, perde. Não por acaso, apenas uma vez conseguiu duas vitórias seguidas, estas ainda antes da parada do Mundial.

Jadson, Renato Augusto, Petros, Danilo e até Elias, com características mais defensivas, já se revezaram formando a dupla de armadores. Hoje, estão todos no mesmo nível, já que o treinador não esconde a preocupação com a bola que não chega e promete fazer “algo diferente” para resgatar as vitórias no Corinthians, após duas derrotas seguidas em nenhum gol anotado e com o ataque praticamente não incomodando.

“Eu vejo o problema da criação muito mais para os homens de meio do que os atacantes. É no meio-campo que tudo começa e a a criação tem de ser boa para a bola chegar com qualidade”, avalia. “E estamos com dificuldade nessa penúltima bola. Os homens lá da frente estão esperando e temos de assumir essa responsabilidade para fazer a bola chegar lá.”

Petros e Renato Augusto foram substituídos diante do Atlético-PR neste domingo. Danilo e Jadson entraram, mas tiveram pouco tempo para mudar o rumo do jogo. Agora, todos estão no mesmo nível para jogar na decisão de quarta-feira.

Petros foi a surpresa no início do ano ao lado de Jadson. A formação foi bem até a suspensão do primeiro. Renato Augusto entrou e não casou com o camisa 10. Diante do São Paulo, há uma semana, Danilo acabou sendo a aposta e fez a diferença ao dar o passe do gol da vitória por 3 a 2.

O treinador não dá pistas de quem utilizará agora. Só deve revelar a escalação momentos antes do jogo com o Atlético-MG. Mas já faz pressão por um bom desempenho.“Temos de jogar bem como fizemos diante do São Paulo. Mas a equipe precisa saber que são 180 minutos.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.