Sérgio Neves/Estadão
Sérgio Neves/Estadão

Mano Menezes entrega o cargo após vitória do Corinthians

Treinador diz que não permanece no clube em 2015: time acaba em quarto lugar no Brasileirão e consegue vaga na pré-Libertadores

Fábio Hecico, O Estado de S. Paulo

06 de dezembro de 2014 | 19h38

O técnico Mano Menezes se despediu do Corinthians neste sábado com a certeza do dever cumprido. Saiu dizendo que realizou o combinado no início do ano, reclamando de alguns "traíras" no clube e fechando as portas para o mercado interno ao menos nos próximos seis meses. Ele estudará propostas de fora do País e, se não fechar, passará o semestre "estudando."

"Tenho a inteligência para saber quando me querem em algum clube. E ficou bastante claro a intenção do Corinthians numa continuidade ou não", afirmou, ciente que não estava nos planos nem de oposição nem de situação para as eleições presidenciais de fevereiro. "As pessoas têm direito de pensarem dessa forma. A mesma maneira que o Mário Gobbi opta por mim, outras têm direito de ter por outros profissionais, isso nunca me incomodou", garante.

Mano estava sereno. Falou com firmeza. "Saio daqui consciente que realizamos o que nos propomos. Vim para uma reformulação e ela foi feita de forma forte. E ainda saímos com o bônus da vaga na Libertadores."

O fato de ele não estar nos planos para 2014 serviram para ele cutucar possíveis "desafetos" no clube. Ele não quis dizer os nomes dos "traíras", mas o ex-presidente Andres Sanchez, que na quinta-feira afirmou que teria renovado com ele há três meses seria um dos alvos por já ter cobrado sua cabeça durante a temporada.

"Conviver com isso é algo normal, o que foge da normalidade é dizer num dia que me quer e em outro que não, no outro pedir a cabeça do técnico. Pra mim só isso acabou fora dos conformes e é o que considero uma trairagem."

Possivelmente Tite será o substituto de Mano e ele aproveitou para dar uma cutucada no sucessor. "Ano passado (o time) com força ainda maior chegou no fim da competição com 50 pontos, hoje a gente devolve com 69 e com a quarta vaga para a competição continental mais importante. Baseado nisso é que vou para casa com consciência tranquila."

Mano sai e o peruano Guerrero está usando uma proposta tentadora do Ah Ahli para tentar dobrar o clube a aceitar sua alta pedida salarial. Os paulistas dizem que não cedem. "Tenho contrato ainda, estou aqui, sou jogador do Corinthians", despistou o atacante após o jogo. 

Mais conteúdo sobre:
futebolCorinthiansMano Menezes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.