Mano Menezes lamenta a falta de sequência positiva no Corinthians

Técnico fica na bronca com tropeço em Florianópolis que impede, mais uma vez, sua equipe de conseguir duas vitórias seguidas

Estadão Conteúdo

25 Setembro 2014 | 09h05

Depois de uma boa vitória e do ótimo futebol apresentado no clássico de domingo diante do São Paulo, o Corinthians voltou a decepcionar na última quarta-feira e perdeu para o Figueirense por 1 a 0, em Florianópolis. Esta oscilação de resultados e atuações no Brasileirão tem se tornado frequente no time paulista e o técnico Mano Menezes sabe disso, mas garantiu que não é exclusividade de seus comandados.

"A sequência não tem vindo para quase ninguém. Se você olhar, vai ver que as equipes passam pela mesma dificuldade que a gente, não conseguem o resultado. Quem tem conseguido mesmo é o Cruzeiro, e por isso está liderando a competição já há bastante tempo e é o favorito para a conquista. As outras equipes oscilam, ganham um jogo, fazem até duas vitórias, mas perdem a terceira, e perdem a oportunidade emblemática", comentou.

O treinador admitiu que esta "oportunidade emblemática" do Corinthians foi por água abaixo na quarta-feira, já que a equipe vinha embalada pelo clássico. "Sempre falo que existem momentos em que você tem de confirmar. Hoje (quarta-feira) era um momento para isso. Tudo conspirava a nosso favor. Nossa confiança estava alta, saímos motivados porque jogamos bem, e precisávamos fazer isso hoje. Mas não conseguimos fazer."

Apesar da diferença nos desempenhos de domingo e de quarta-feira, Mano garantiu que não houve qualquer mudança de postura de seus jogadores. Ele avaliou que o futebol bem abaixo do esperado apresentado diante do Figueirense foi reflexo de uma oscilação natural do campeonato.

"É do campeonato mesmo. Trabalhamos bem essa questão de não se empolgar e não considerar o adversário. Você vence um dos maiores do campeonato e vai para o segundo jogo, que é diferente, e não pode deixar isso afetar a maneira como você se comporta. Mas não tivemos essa dificuldade. Foi o jogo mesmo", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.