Mauro Pimentel / AFP
Mauro Pimentel / AFP

Mano minimiza jejum no Brasileiro e admite que teve cargo ameaçado

Técnico do Cruzeiro disse ter temido por permanência depois de empatar no Chile pela Copa Libertadores

Estadão Conteúdo

04 Maio 2018 | 19h06

Se na Libertadores o Cruzeiro emendou duas goleadas consecutivas e praticamente garantiu vaga nas oitavas de final da Libertadores, no Campeonato Brasileiro a situação tem sido bem diferente. Após três rodadas, o time mineiro ainda não venceu - duas derrotas e um empate -, e por isso entra em campo precisando do resultado diante do Botafogo, neste domingo, em casa.

+ Treinador festeja evolução do Cruzeiro

+ Organizada invade treino do Vasco

"Só jogamos três rodadas, vamos com calma. O Cruzeiro vai vencer. Domingo, vamos trabalhar para vencer. O Campeonato Brasileiro é parelho. Se perde ou se ganha o campeonato durante ele. Quando se joga algo muito longo, como um campeonato de 38 rodadas, tem que pegar o objetivo final e dividir em partes. Principalmente para o jogador brasileiro, 38 rodadas são muito distantes. Ele não enxerga lá", afirmou o técnico Mano Menezes nesta sexta-feira.

O treinador considerou que não há fórmula correta para conquistar o título brasileiro. Ele lembrou de uma teoria de Pep Guardiola, que disse que campeonato de pontos corridos se vence no início, e analisou a campanha do Corinthians na conquista do ano passado, mas avaliou que o Cruzeiro pode chegar ao triunfo de sua própria maneira.

"Temos que diminuir o tamanho dos objetivos. Guardiola, inteligente do jeito que é, falou isso. É uma referência. Mas já vimos de tudo. Ano passado, o Corinthians fez o primeiro daquele jeito, estava ganho o campeonato. Mas se no segundo turno tivesse um candidato que tivesse esperado, tinha recuperado. O importante é fazer o melhor a cada rodada", avaliou.

Mano está no Cruzeiro há quase dois anos, mas viu o cargo ficar em risco há poucas semanas, com os maus resultados no Brasileirão e o empate com a Universidad de Chile em Santiago. Somente com as goleadas recentes, a pressão diminuiu e, agora, o treinador pôde brincar com a situação.

"Quase que (a longevidade no cargo) terminou na outra semana, né? Não vale nada", falou, dando risada. "Estava todo mundo falando já. Assisti a um programa em que estavam quase fazendo aposta de que a próxima pedra era eu. Então, valor zero (a longevidade)."

Nesta sexta, o Cruzeiro treinou na Toca da Raposa II e o elenco foi dividido. Parte realizou trabalho interno, enquanto o restante foi a campo para uma atividade com bola. Assim, Mano não indicou a escalação para pegar o Botafogo, mas, até pela necessidade de vencer, deve manter o time titular.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.