Mano pede: esqueçam de vez o que aconteceu em 2007

Técnico reforça que time não vencia por detalhes e que está no caminho certo - e dá bronca em Lulinha

O Estado de S. Paulo

10 de fevereiro de 2008 | 19h52

Depois de enfrentar as instabilidades das quatro partidas em que o Corinthians não conseguiu vencer, o técnico Mano Menezes fez um pedido: que o ano passado, quando a equipe foi rebaixada para a Série B do Brasileiro, seja definitivamente esquecido. Para ele, a vitória contra o Ituano mostra que o trabalho de reconstrução da equipe está no caminho certo - tanto que o time, agora, já mira as semifinais.Veja também: Corinthians ganha por 2 a 1 do Ituano e encerra jejum"Ouvi muita gente dizer que estávamos em situação parecida com a do ano passado. Só que 2008 começou há quase dois meses, até o Carnaval já terminou. Então faço um pedido: esqueçam 2007", apontou Mano. "Estamos fazendo uma transição segura e não estávamos conseguindo vencer por detalhes. E, o mais importante, não estávamos perdendo. Isso, sim, atrapalharia muito. Voltando a vencer, estamos mais próximos dos líderes. E vamos brigar por uma vaga entre os quatro."O lateral André Santos, autor do primeiro gol da partida e principal personagem do Corinthians na etapa inicial, afirmou que vitória diminuiu a pressão. "O Mano vinha conversando com a gente, passando tranqüilidade, dizendo que fizemos bons jogos", explicou. "Encaramos a pressão e a vitória veio. Isso aconteceria em algum momento."Mano ressaltou a importância de o Corinthians ter marcado um gol logo no início da partida e, especialmente no primeiro tempo, ter evitado ataques mais contundentes do Ituano. "Conseguimos controlar nossas dificuldades e em raros momentos deixamos o adversário em situação de conclusão." O atacante Dentinho, que mais uma vez teve boa participação, exaltou o trabalho da equipe. "Fizemos um primeiro tempo muito bom, tivemos falhas no fim, mas o importante foi comemorar a vitória. Vamos tranqüilos para Copa do Brasil." O Corinthians estréia na quarta-feira, contra o Barras (PI), em Goiânia.BRONCA EM LULINHAMano Menezes deixou claro que não gostou do "excesso de preciosismo" do meia Lulinha. O garoto, artilheiro nas categorias de base do Corinthians, ainda não conseguiu desencantar no time profissional. Para o técnico, o meia corre atrás não só de um gol, mas de um golaço. "No primeiro lance do jogo, ele poderia ter dominado a bola e feito um gol, mesmo que feio. E eu, do banco, gritei: ‘vai Lulinha, faz feinho mesmo’. Só que ele quis ajeitar para fazer um gol bonito..."Além disso, o outro problema detectado: Lulinha tem sido fominha. "Às vezes, é só rolar a bola para o lado e deixar um companheiro em condições. Vou cobrar. Tenho certeza de que, se ele começar a fazer isso, alguém vai retribuir e ele poderá fazer seu gol."

Tudo o que sabemos sobre:
CorinthiansMano Menezes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.