Marcello Zambrana / Cruzeiro
Marcello Zambrana / Cruzeiro

Mano pede respeito ao Cruzeiro: 'Parecia que o Palmeiras ia jogar contra ninguém'

Treinador do time mineiro disse que faltou atenção no segundo gol de empate palmeirense

Estadão Conteúdo

31 Outubro 2017 | 09h10

Mano Menezes adotou tom de desabafo para comentar sobre o empate entre o Palmeiras e o Cruzeiro, por 2 a 2, na noite desta segunda-feira, em São Paulo. Em uma crítica à parte da imprensa, o treinador pediu respeito ao time mineiro e reclamou de declarações que davam como certa a vitória palmeirense, no Allianz Parque.

+ Técnico do Palmeiras valoriza ponto conquistado contra o Cruzeiro

+ Com lesão grave na coxa, Hudson está fora do restante da temporada no Cruzeiro

"Eu peguei algumas declarações de vocês hoje em programas esportivos e mostrei para os jogadores", afirmou Mano, dirigindo-se aos jornalistas, na entrevista coletiva pós-jogo. "Na maioria dos programas, parecia que o Palmeiras ia jogar contra ninguém. Não parecia que ia jogar contra o Cruzeiro, parecia que ele ia jogar sozinho e que o jogo já estava resolvido. A diferença ia diminuir para três pontos e domingo ia se decidir o campeonato", declarou.

"Não é assim. Tem que respeitar. O Cruzeiro é campeão da Copa do Brasil, está fazendo um Campeonato Brasileiro de respeito", rebateu o treinador. Vice-líder do Brasileirão, o Palmeiras tem 54 pontos, contra 59 do líder Corinthians. Se tivesse vencido o Cruzeiro, o alviverde teria reduzido a diferença para três pontos. No domingo, os dois primeiros colocados da tabela farão confronto direto no Itaquerão.

Apesar da expectativa da torcida, o Palmeiras apenas empatou com o Cruzeiro. E sofreu para buscar a igualdade porque esteve atrás no placar por duas vezes na partida. "Talvez em número de oportunidades foi lá e cá. Primeiro tempo tivemos mais dificuldades para trabalhar a bola, ficar com a bola, a gente correu muito atrás do Palmeiras. Tivemos a oportunidade de fazer o gol, mas poderíamos ter jogado melhor. No segundo tempo mudamos, trouxemos Rafael Marques para o lado e colocamos Arrascaeta e Thiago Neves por dentro. Tivemos as grandes oportunidades que poderíamos ter aproveitado melhor", analisou Mano.

O treinador lamentou o gol de empate, sofrido aos 40 minutos do segundo tempo. "O gol que sofremos não é para sofrer num jogo desse, de lateral, de costas para a jogada. [Falta] Um pouco de atenção, concentração mais alta. Preciso bater nessa tecla porque há essa tendência nessa fase da competição. Não tiro mérito de ninguém, mas poderíamos ter saído com a vitória", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.