Evelson de Freitas/AE
Evelson de Freitas/AE

Mano reclama do excesso de partidas no Pacaembu neste ano

Treinador diz que muitos times querem jogar lá e condição do campo é bem pior do que a do ano passado

Marcel Rizzo - Jornal da Tarde,

16 de março de 2009 | 20h22

O gramado do Pacaembu é a nova preocupação de Mano Menezes. Por causa dos buracos e grama rala em diversos setores, o treinador reclamou na semana passada de que "muitos times estão querendo jogar lá" e que, por isso, a condição do campo é bem pior do que a do ano passado.

Veja também:

linkSTJD suspende Otacílio Neto, do Corinthians, por 1 jogo

linkApós empate, Mano diz que sentiu 'saudade' de Ronaldo

tabela Campeonato Paulista - Tabela e resultados

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

O medo é de que jogadores se machuquem, principalmente Ronaldo. No próximo domingo, o Corinthians enfrenta o Santos e o Fenômeno, se nada mudar, será titular. Segundo membros da comissão técnica, atletas com preparo físico pior, caso do camisa 9, estão mais sujeitos a lesões em campos em condições ruins - sem a explosão ideal, por exemplo, podem torcer o joelho mais facilmente em um buraco.

A reclamação de Mano Menezes procede com relação à quantidade de jogos no estádio municipal. Até esta segunda-feira já foram realizadas 17 partidas em 2009, mais do que o dobro das disputadas no Morumbi e Canindé (oito em cada). No Palestra Itália foram dez e, na Vila Belmiro, seis.

Teve de tudo no Pacaembu este ano: dois amistosos, um do Corinthians e outro do Santos, duas partidas da Copa São Paulo de Juniores, um jogo do Palmeiras, que não pôde jogar em sua casa por conta de eleição de conselheiros, duelos do Santos para agradar ao torcedor paulistano e até partidas do Pão de Açúcar pela Série A-3, a terceira divisão do Campeonato Paulista.

Nesta segunda mesmo, Pão de Açúcar e Batatais empataram por 2 a 2, um dia depois de o Santos ter vencido o Mogi Mirim.

"A quantidade de jogos é a ideal. Nossa meta é ter oito por mês, o que ocorreu. O grande problema é que a maioria desses jogos foi disputado sob chuva", explicou o administrador do estádio, Alessio Gamberini.

Ele contou que a reforma realizada no ano passado melhorou a drenagem, mas não impediu que danos ocorressem em jogos realizados sob forte chuva. "Naquele dilúvio entre Corinthians e Portuguesa, o campo secou em 30 minutos. Mas houve os danos normais".

Gamberini disse que já foram reparadas parte do gramado nas duas pequenas áreas e que o campo foi adubado novamente. "Teremos agora seis dias até o clássico Corinthians e Santos e a tendência é de que o gramado já esteja melhor".

O Pão de Açúcar fará apenas mais um duelo no local, no dia 5 de abril. Depois, mandará suas partidas no estádio Ícaro de Castro Mello, na região do Ibirapuera.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.