Vinnicius Silva/Cruzeiro
Vinnicius Silva/Cruzeiro

Mano 'tira' Sassá de jogo do Cruzeiro contra Palmeiras: 'Está muito corajoso'

Após briga no apito final da semi da Copa do Brasil, equipes voltam a se enfrentar neste domingo pelo Brasileirão

O Estado de S.Paulo

27 de setembro de 2018 | 12h18

Os ânimos dos jogadores de Cruzeiro e Palmeiras deverão estar um pouco menos acirrados depois da briga generalizada ocorrida após o apito final do empate por 1 a 1 na noite desta quarta-feira, que classificou o time mineiro para a decisão da Copa do Brasil. Isso porque as duas equipes voltarão a se enfrentar neste final de semana, desta vez pelo Brasileirão. E o embate não deverá ter o atacante Sassá, pivô da confusão.

No meio da discussão entre os atletas dos dois times, iniciada em um lance envolvendo o zagueiro Léo e o volante Felipe Melo, o polêmico jogador agrediu o lateral Mayke, ex-cruzeirense e que ainda tem vínculo com o antigo clube, com um soco no rosto que o pegou desprevenido. O lance deixou o defensor alviverde revoltado, e ele teve que ser contido por Paulo Turra, auxiliar do técnico Luiz Felipe Scolari, com a ajuda de outros jogadores.

A agressão irritou muito os jogadores do Palmeiras, que chegaram a 'jurar' o atacante cruzeirense, lembrando que o reencontro deste domingo acontecerá em São Paulo, no Pacaembu. Assim, para evitar maiores problemas, o técnico Mano Menezes afirmou que não irá levar seu atacante, que foi expulso pela agressão ao lateral palmeirense e cumprirá suspensão na final contra o Corinthians, estando, portanto, disciplinarmente livre para atuar neste fim de semana - Mayke também levou o cartão vermelho.

O treinador comentava as escolhas que fez parta a partida de volta da semifinal da Copa do Brasil e para a sequência do Brasileirão, e analisava a situação física dos seus principais jogadores, como Arrascaeta e Thiago Neves, além da escolha pelo centroavante que iniciaria o jogo contra o Palmeiras desta quarta - quem marcou o gol cruzeirense no empate desta quarta-feira - quando brincou com o ato provocado por Sassá.

"A minha decisão é coerente. Poderia ser coerente para o Raniel, para o Sassá, e foi para o Barcos. Não tinha sentido eu tirá-lo (do jogo) de hoje (quarta-feira). Não seria justo, e os jogadores avaliam muito", afirmou o técnico, que projetou o elenco do próximo jogo contra o 'antigo' rival com novidades e o veto ao atacante.

"Hoje eu não jogaria com o Arrascaeta e o Thiago. O Arrascaeta já pode estar no domingo, assim como talvez o Fred também possa. Não levamos um preto, mas levamos um clarinho. Deixamos o Sassá aqui para acalmar o tumulto. Está muito corajoso, vamos dar uma acalmadinha nele", brincou.

O Cruzeiro visita o Palmeiras na manhã do próximo domingo, às 11h (de Brasília), pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro. O time mineiro está na sétima colocação com 37 pontos, 13 abaixo da equipe paulista, vice-líder do torneio.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.