Manobra pode trazer Havelange à CBF

Dirigentes de federações estaduais e da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) estão articulando a substituição de Ricardo Teixeira por seu ex-sogro João Havelange na presidêncida da entidade, após a votação do relatório final da CPI do Senado, dia 4. Os principais defensores de Teixeira não acreditam que a bancada da bola, formada por senadores ligados à CBF, consigam brecar o texto redigido pelo colega Geraldo Althoff (PFL-SC).O sentimento entre os aliados de Teixeira é de que seu nome constará da lista de indiciáveis que será enviada ao Ministério Público Federal, com a virtual aprovação do relatório. Dessa forma, eles avaliam, o presidente licenciado da CBF não teria condições de continuar ocupando o cargo. Para dar o primeiro passo no sentido de buscar o apoio de Havelange, representantes de seis federações estaduais encontraram-se nesta quarta-feira com o ex-presidente da Fifa.Primeiro, num almoço num restaurante da zona sul do Rio. Depois, em seu escritório, no centro da cidade, a uma quadra do prédio da CBF. O presidente da Federação do Paraná, Onaireves Moura, deixou escapar sua opinião a respeito da hipótese. "O João Havelange está em forma para assumir qualquer cargo", declarou. E acrescentou em seguida: "Soube que ele nadou hoje 12 quilômetros."Consenso - Havelange, de 85 anos, não quis dar entrevista. Na eventualidade de ocupar a presidência da CBF, ele também inibiria suposta intenção da Fifa de intervir no futebol brasileiro, desfiliando a CBF. Os rumores de que isso poderia vir a acontecer são grandes entre os dirigentes da entidade comandada por Teixeira.Isso se daria, entre outras coisas, por causa da freqüente cessão de passe livre da Justiça do Trabalho do Brasil a atletas, o que contraria o Estatuto da Fifa.Para o presidente da Federação Gaúcha, Emydio Perondi, também presente nas duas reuniões, Havelange disse que não aceitaria a responsabilidade. Mas Weber Magalhães, da Federação de Brasília, deu outra pista: "O doutor Havelange é sempre um nome de consenso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.