Manoel diz que fez 'coisas impensadas' após ato racista

Jogador do Atlético-PR admitiu pisão e cabeçada no palmeirense Danilo ao ser xingado de 'macaco'

AE, Agência Estado

17 de abril de 2010 | 16h46

Proibido de dar entrevistas desde a polêmica da noite de quinta-feira, após a partida com o Palmeiras, o zagueiro Manoel disse neste sábado que "fez coisas impensadas" ao reagir às ofensas raciais do zagueiro Danilo. O jogador do Atlético Paranaense deu um pisão e uma cabeçada no atleta do Palmeiras após ser xingado de "macaco", no Estádio Palestra Itália.

Veja também:

som ELDORADO/ESPN: Ouça agressão de Danilo

linkDanilo admite ofensa e pede desculpas

"Eu fiquei muito chateado com tudo isso, até porque nunca tinha acontecido comigo. Fui xingado e recebi uma cusparada no rosto. Isso é muito ruim. Depois dessas atitudes, posso ter feito coisas impensadas, porque estava realmente incomodado e transtornado pelas ofensas que tive", admitiu Manoel.

O zagueiro do Atlético foi ofendido pelo palmeirense por duas vezes, após cobrança de escanteio na área do time da casa, ainda no primeiro tempo do jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil.

"Ele me chamou duas vezes de ''macaco''. A primeira foi dentro da pequena área, quando ele veio para cima de mim e falou ''seu macaco do c...''. Depois ele cuspiu na minha cara e quando eu caí, veio novamente e falou ''levanta seu macaco''", lembrou o defensor atleticano, que não dará mais entrevistas para se concentrar no clássico de domingo, contra o Coritiba, pelo estadual.

"Eu fiquei transtornado pelo ocorrido e assim fiquei por muitas horas. Só agora estou absorvendo, mas a ofensa me afetou psicologicamente. Nem consegui dormir direito naquela noite", destacou Manoel.

Na sexta-feira, um dia depois da partida polêmica, Danilo admitiu os xingamentos e pediu desculpas públicas ao jogador do Atlético-PR. O zagueiro do Palmeiras também compareceu por vontade própria ao 23.º DP, em São Paulo, a fim de prestar esclarecimentos sobre o caso.

Por causa das agressões físicas e verbais, os dois jogadores correm o risco de serem suspensos preventivamente pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) no início da próxima semana, antes do segundo jogo das oitavas de final da Copa do Brasil, na quarta-feira, em Curitiba.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolAtlético-PRManoelracismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.