Divulgação/Maracanã
Divulgação/Maracanã

Maracanã homenageia Bellini com cores verde e amarelo

Capitão da seleção em 1958 morreu nesta quinta-feira em São Paulo

Agência Estado

20 de março de 2014 | 20h49

RIO - A concessionária que cuida do Maracanã emitiu nota na noite desta quinta-feira lamentando a morte de Bellini, o capitão da seleção brasileira na conquista da Copa do Mundo de 1958, na Suécia. Foi o ex-jogador, falecido nesta quinta, aos 83 anos, quem eternizou o gesto de levantar a taça de campeão mundial com as duas mãos ao recebê-la. Hoje não se imagina uma Copa do Mundo sem tal gesto.

Bellini é personagem icônico do Maracanã não só pelas partidas que fez ali pelo Vasco, clube que defendeu de 1952 a 1961, mas principalmente pela estátua dele presente a uma das entradas do estádio, hoje denominada "portão D". Para os cariocas, aquela é se sempre será "a rampa do Bellini".

Na estátua, Bellini aparece sobre uma grande bola, que trás a inscrição "Brasil 1958 1962", em referência aos dois títulos que ele conquistou. De pé sobre este elemento, Bellini carrega a Taça Jules Rimet com a mão direita e abraça uma bola com a esquerda.

Em homenagem ao ex-jogador, o Maracanã iluminou a cobertura do estádio nas cores verde e amarela, nesta quinta-feira à noite. O jogador será enterrado na sexta-feira, em Itapira, sua cidade natal, no interior de São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBelliniMaracanãCopa do Mundo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.