Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Maracanã terá parte de gramado renovado para o retorno do Campeonato Brasileiro

Estádio passa por renovação para a volta das competições do calendário brasileiro

Estadão Conteúdo

13 Julho 2018 | 17h38

O estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, terá uma parte de seu gramado renovado para a sequência das competições no segundo semestre, após a disputa da Copa do Mundo da Rússia. Entre este domingo e segunda-feira, 51 toneladas de grama serão trocadas, o que equivale a 20% ou 1.200 metros da área do lendário local.

+ Com contrato com o Maracanã, Flamengo encerra vínculo com o Luso-Brasileiro

O primeiro jogo no estádio Maracanã com a nova grama será entre Flamengo e São Paulo, na próxima quarta-feira, às 21h45, pela 13.ª rodada do Campeonato Brasileiro. Ambos estão próximos na tabela de classificação. O time carioca é o líder e o paulista, o terceiro colocado.

O novo gramado vinha sendo cultivado e tratado há 40 dias em uma fazenda produtora da cidade de Saquarema, no litoral do Rio de Janeiro, que também é responsável pela produção da grama, a Bermudas Celebration, considerada de última geração e uma das melhores para a prática do futebol. O modelo é o mesmo usado na Copa das Confederações, em 2013, na Copa do Mundo no Brasil, no ano seguinte, e nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016.

O procedimento de plantio será rápido, pois o tipo da grama será o "ready to play" (pronto para jogar). Dessa forma, no dia seguinte da plantação o campo já estará apto a receber partidas de futebol. Portanto, a tempo de receber o duelo entre flamenguistas e são-paulinos.

"Os demais 80% do gramado seguem bem conservados e sem necessidade de mudanças, pois a qualidade está mantida. A troca do gramado do Maracanã acontece por partes e por etapas conforme a necessidade e desgaste", afirmou Mauro Darzé, presidente da concessionária que administra o Maracanã. Segundo ele, já foram investidos mais de R$ 1,5 milhão somente com o cuidado do "tapete" do estádio.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.