Maradona adverte para o poder do verdadeiro Brasil

O astro do futebol Diego Maradonanão encontrou explicação para o recente fracasso da Argentinana Copa América da Venezuela e disse que não sabe onde o Brasilpode chegar quando o país tiver todo seu potecial disponível,depois de ganhar, sem seus principais jogadores, o títulocontinental sobre sua eterna rival. No dia 15 de julho, o Brasil, com uma equipe que tinha noatacante Robinho seu principal jogador, goleou a Argentina por3 a 0 e superou taticamente no jogo o conjunto alviceleste, quecontava com seus melhores jogadores. Maradona, um incondicional torcedor da seleção com quemganhou o Mundial Juvenil de 1979, a Copa do Mundo de 1986 noMéxico e o vice-campeonato na Copa do Mundo da Itália, em 1990,se mostrou preocupado com o futuro, frente a um Brasil queameaça tornar-se imbatível. "Eles não foram à Venezuela com todos os craques. Oproblema vai ser quando colocarem em campo todo potencial quetêm. Como vamos ficar quando jogar o verdadeiro Brasil?", disseMaradona. "E não digo só pela Argentina, veja. Não é só a seleção(alviceleste). É para Alemanha, Itália, Espanha. Atenção",advertiu o ex-jogador. Maradona havia dito, depois da eliminação argentina no anopassado nas quartas de final da Copa do Mundo da Alemanha, queestava cansado de ver fotos de jogadores argentinos chorando. "Eu desta vez não chorei. O Brasil ganhou tão bem que nãotivemos nem tempo para o choro", disse Maradona em umaentrevista publicada neste sábado pelo diário Deportivo Olé. "Robinho, o melhor deles, mal tocou na bola e ganharam denós por 3 a 0 (..) É verdade, fizeram um gol logo no início,mas depois havia 86 minutos para fazer algo e não fizemos nada,apenas um chute de Román (Riquelme) na trave", destacou. APOIO PARA MESSI, MASCHERANO E AYALA Apesar do fracasso na competição, Maradona apoiou osjogadores argentinos e elogiou o atacante Lionel Messi, doBarcelona da Espanha, e Javier Mascherano, do Liverpool daInglaterra. "Leo (Messi) desabrochou. Cada vez que tocava na bola,sentia que algo importante ia acontecer (...) Mas,lamentavelmente, não foi assim justo no último jogo, o Brasil omarcou muito bem", destacou. Sobre Mascherano, disse que o jogador o emociona. "É umareferência para todos os companheiros. Jamais alguém vaiperguntar ''caramba, onde está Mascherano?''. Mascherano estáonde a bola estiver", afirmou. Na final, disputada em Maracaibo, a Argentina ficou atrásno placar com um gol marcado pelo Brasil aos 4 minutos doprimeiro tempo, e o segundo foi um gol contra anotado pelozagueiro e capitão argentino Roberto Ayala, que três diasdepois do jogo decidiu não jogar mais pela seleção, na qual é orecordista de partidas disputadas, com 115 jogos. Maradona apoiou Ayala e não quis opinar sobre o técnicoAlfio "Coco" Basile, que dividiu piscina e hotel com GuillermoCóppola, ex-empresário do craque argentino. Maradona estáprocessando Cóppola alegando irregularidades durante o tempo emque estiveram ligados. "Ayala vai embora porque quer. Se deixamos ele ir é porqueacreditamos que é culpado e ele não é", disse Maradona. Questionado sobre se o técnico Basile deveria intervir paraque Ayala mude sua decisão, Maradona foi enfático. "Sobre Basile não falo (..) Não falo porque o vi comCóppola. E quando eu chamei Coco para uma reunião para que elefosse (como técnico) para o Boca, ele não tinha clube e nãotomava uísque com Cóppola", acrescentou. Esse foi o motivo porque Maradona, que deu o pontapéinicial da Copa América junto com o presidente venezuelano HugoChávez e também com o da Bolívia, Evo Morales, disse em umaentrevista coletiva que não pensava em ir visitar os jogadoresna concentração, no campo de treinamento do Unión AtléticoMaracaibo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.