Maradona conta "verdade" em filme

O ex-jogador Diego Armando Maradona - que neste sábado será homenageado em Buenos Aires na festa que vai marcar sua despedida oficial dos gramados - virou tema de documentário na TV francesa. O filme ?Maradona por Diego: minha verdade?? tem 52 minutos de duração e será exibido pelo Canal +. A emissora mostrará também uma entrevista exclusiva com o ex-jogador em Cuba, onde Maradona faz um tratamento para se livrar da dependência química. No documentário, Maradona revela detalhes de sua transferência do Barcelona para o Nápoli e sua vida na Itália; fala de sua luta contra as drogas e comenta a relação quase sempre tensa com os dirigentes. O argentino critica os cartolas por acreditar que não é tratado da maneira que merece. Sua revolta se concentra basicamente contra o brasileiro João Havelange, o ex- presidente da Fifa. Maradona acha que foi vítima de uma armadilha no Mundial de 94, nos Estados Unidos, quando acabou suspenso por doping. Para ele, Havelange foi quem articulou sua suspensão. "Havelange não seria capaz de dar um passe, embora tenha bebido um barril de efedrina?, disse ele, referindo-se à substância proibida que teria usado e pela qual foi condenado. Maradona também criticou Pelé. ?Ele deveria pensar mais em seus colegas e não nos dirigentes, como faz?, argumentou. O ex-craque criticou ainda o nível técnico do futebol mundial. Segundo ele, os atuais jogadores são ?robotizados? e cita apenas Rivaldo como um exemplo de talento. Diego encerra o filme falando sobre outras duas figuras míticas para os argentinos - o cantor de tango Carlos Gardel e o piloto pentacampeão mundial de F-1, Juan Manuel Fangio. ?Gardel e Fangio são os melhores porque estão mortos. Eu estou vivo, mas não quero ser melhor. Não tenho pretensão de me tornar mito?, disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.