Daniele Mascolo-EFE
Daniele Mascolo-EFE

Maradona diz que está sem usar drogas há 10 anos

Ex-jogador fez a declaração durante uma coletiva realizada na Itália

Ariel Palacios, Agência Estado

17 de outubro de 2013 | 15h17

BUENO AIRES - O eterno astro do futebol argentino, Diego Armando Maradona, declarou que daqui a quatro meses completará dez anos sem consumir drogas. Segundo o ex-técnico da seleção argentina e do Al-Wasl, em seus tempos de consumo de substâncias proibidas ele causou muito sofrimento a filhas e sua então mulher, Claudia Villafañe: "Fiz que chorassem. Fiz mal a muitas pessoas. Todo o mal que fiz, fiz sozinho". Maradona recomendou que os "garotos" não experimentem drogas. "É uma dependência muito feia!".

Maradona fez estas declarações durante uma coletiva realizada na Itália, na redação do jornal "La Gazzetta dello Sport". Falando com os jornalistas, o craque afirmou que gostaria de ser papa. E fez uma brincadeira, em alusão à palavra "papá" (que em espanhol é "papai): "É papa (sumo pontífice) mesmo. Não é "papá". Anotem bem pois senão depois me colocam em problemas". O ex-astro teve vários filhos extramatrimoniais que nunca reconheceu oficialmente, apesar das ordens da Justiça na Argentina e Itália. Maradona também criticou a idade das lideranças da Fifa: "os diretores da Fifa todos possuem mais de 95 anos. Como é que dá para dirigir uma organização assim se não podem dirigir um carro?"

MARADONA E AS OVERDOSES

Maradona teve sua primeira overdose pública de cocaína no ano 2000, durante suas férias no balneário uruguaio de Punta del Este. Na sequência foi convidado por Fidel Castro para ir à Cuba realizar um tratamento para livrar-se da dependência das drogas. No entanto, quatro anos depois de estadia na ilha caribenha, o ex-jogador estava obeso e continuava consumindo cocaína. Em março de 2004 voltou à Buenos Aires. Depois de um mês de festas, Maradona teve uma nova overdose que o levou ao coma. Maradona foi internado na clínica Suíço-Argentina. Mas, dias depois de recuperar-se do coma, o ex-astro fugiu e refugiou-se na chácara de um empresário amigo onde dedicou-se à farra. Cinco dias depois, Maradona foi levado às pressas novamente à clínica. Ele havia tido uma overdose de croissants com creme. O ex-astro pesava quase 120 quilos e não conseguia respirar nem falar direito.

Nos meses que seguiram Maradona realizou uma cirurgia de redução do estômago na Colômbia. Com o look renovado, o ex-astro voltou a ser um sucesso de marketing. Cinquenta quilos mais magro, foi convocado para realizar um programa de TV, "La Noche del Diez" (A Noite do Dez), que bateu recordes de audiência. Entre seus convidados estiveram Pelé, Xuxa e Mike Tyson. Seu único vício, dizia, era "um charuto por dia". Mas, o contrato de seu programa não foi renovado no final de 2005, Maradona começou a deprimir-se e voltou a engordar. Entre dezembro de 2005 e meados de 2006 o ex-astro envolveu-se em brigas com a Polícia Federal no Rio; agrediu uma ex-miss nas ilhas de Bora Bora , e - em Buenos Aires - bateu sua camionete contra uma cabine telefônica, cujos cacos de vidro voaram pelo ar, ferindo um casal de jovens que passava pela rua. Na segunda metade de 2007 "El Diez" foi internado por graves problemas hepáticos gerados, entre outros motivos, pelo intenso consumo de champagne brut.

Tudo o que sabemos sobre:
futinterfutebolMaradona

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.