Arquivo/AE
Arquivo/AE

Maradona espera que Messi o supere como jogador

Técnico da seleção argentina decide dar liberdade ao astro do Barcelona para que ele mostre seu futebol

AE-AP, Agencia Estado

25 de março de 2010 | 13h31

O técnico Diego Maradona afirmou que seria o homem mais feliz do mundo se Lionel Messi o superar como jogador de futebol e adiantou que não deverá exigir do atacante do Barcelona um posicionamento fixo na seleção argentina.

"As comparações são odiosas, mas se alguém tem que me superar, que seja um argentino", afirmou o treinador da seleção argentina em declarações dadas na noite da última quarta-feira para a Rádio Cooperativa, da Argentina.

O técnico ainda ressaltou que, se Messi triunfar na Copa do Mundo de 2010, "terá o mesmo carinho que (Maradona) teve e tem com os argentinos". O astro do Barcelona é muito criticado pelos torcedores do seu país por não conseguir repetir as grandes atuações que faz no time espanhol com a camisa da seleção argentina.

Campeão do mundo em 1986 e grande craque da Copa do México naquele ano, Maradona ressaltou também que seria "terrivelmente estúpido pedir uma posição (fixa) a Messi (na seleção)", se referindo ao fato de que deixará o atacante atuar com liberdade.

"(César) Menotti e (Carlos) Bilardo (ex-treinadores de Maradona na seleção argentina) me disseram: ''Vá e jogue''. Eu não acredito nas posições fixas e menos ainda com Messi. Ele tem um potencial muito grande e deve se movimentar com liberdade para estar em contato com a bola", acrescentou o técnico.

Por causa das grandes atuações recentes com a camisa do Barcelona, Messi voltou a ter o seu futebol comparado com o do apresentado por Maradona no passado. Porém, o jogador tem consciência de que ainda precisa ganhar títulos de expressão para entrar na galeria dos maiores craques da história do futebol mundial. "Para se tornar uma lenda, para ser grande, é necessário ganhar uma Copa do Mundo", afirmou Messi nesta semana em entrevista ao jornal espanhol El Mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.