Sergio Perez/Reuters
Sergio Perez/Reuters

Maradona exalta número de imigrantes nas seleções semifinalistas da Copa

Ídolo argentino comemora possibilidade de crescimento na vida de cidadãos, mas critica clubes que buscam reforços nos países africanos

Estadão Conteúdo

08 Julho 2018 | 15h06

Diego Armando Maradona celebrou que três das seleções europeias que estão nas semifinais da Copa do Mundo são compostas por muitos imigrantes nos elencos. De acordo com dados do programa "La Mano Del Diez", da televisão venezuelana TeleSUR, 78,3% dos jogadores da França vieram de 11 países africanos distintos, enquanto Bélgica e Inglaterra estão empatados com 47,8% de atletas com origem de outros países.

+ Imprensa colombiana e até Maradona atacam árbitro de derrota da Colômbia

+ Após ser repreendido, Maradona pede desculpas à Fifa por críticas à arbitragem

+ Maradona se oferece para treinar a Argentina de graça

"Esses jogadores sabem que estão chegando a um novo mundo, onde vão poder acessar o que não poderiam na realidade habitual deles, sem embargo. Hoje, temos a maior porcentagem de imigrantes em um Mundial", comentou o ex-craque argentino neste domingo.

Maradona, porém, denunciou que existe uma "máfia para roubar jogadores de países africanos". "Muitas vezes a necessidade obriga os jovens a tomar essa decisão. São meninos que querem uma oportunidade para se provar e ter quatro refeições por dia. Esse tráfico é terrível e em um nível que nunca se viu antes, por parte de grandes clubes", afirmou.

França e Bélgica vão se enfrentar às 15 horas (de Brasília) desta terça-feira, por uma das semifinais da Copa do Mundo, em partida marcada para São Petersburgo. O vencedor do confronto vai disputar a final contra quem ganhar o jogo entre Croácia e Inglaterra, às 15 horas (de Brasília) desta quarta-feira, no Estádio Luzhniki, em Moscou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.