Maradona faz 45 anos e diz sim à seleção

Diego Maradona disse que ocupar um cargo na equipe técnica da seleção de futebol argentina seria "coroar um ano brilhante" de sua vida. O ex-jogador, que neste domingo faz 45 anos, afirmou que suas palavras foram mal interpretadas quando disse recentemente em Havana que via "pouco futuro" ante uma proposta do presidente da Associação de Futebol Argentina, Julio Grondona, para que se somasse ao time nacional como auxiliar do técnico José Pekerman. "Acho que interpretaram mal minhas palavras. Eu só disse que não queria formar a equipe de ninguém. Eu quero somar, não quero substituir ninguém", afirmou Maradona à rádio Mitre de Buenos Aires. "Se é para somar, bem-vindo seja. Se não, fico em casa", disse Maradona, que na quinta-feira tinha desprezado a possibilidade de trabalhar com a seleção argentina por não saber ao certo o lugar que poderia ocupar. Maradona disse que se reunirá com Grondona quando ele retornar de Zurique, Suíça, "para saber qual será a oferta". "Estou esperando com muita ansiedade a reunião para agradecer a Julio esta oportunidade, porque só o fato de que ele está me dando a chance de trabalhar com a seleção me renova", disse. "Quando eu escutava tantos nomes para ir à seleção e o meu não aparecia, me chateava e pensava ´o que fiz para merecer isso?´. Agora estou orgulhoso por causa desta possibilidade", comentou. "Espero Grondona com muita tranqüilidade e direi o que tenho que dizer", concluiu Maradona.

Agencia Estado,

30 de outubro de 2005 | 11h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.