Maradona faz exigências para seguir na Argentina

O astro Diego Maradona afirmou nesta segunda-feira que sua intenção é seguir como treinador da Argentina, mas deixou claro que não aceitará mudanças na sua comissão técnica. Horas antes de uma reunião com o presidente da Associação de Futebol Argentino (AFA), Julio Grondona, ele foi enfático quanto às suas condições seguir no comando da seleção.

AE-AP, Agência Estado

26 de julho de 2010 | 11h39

"Para mim, se tocarem nos objetos, se tocarem no massagista, eu saio", disse Maradona ao canal América TV, depois de chegar de Caracas, onde se encontrou com o seu amigo, o presidente venezuelano Hugo Chávez.

Ele também mencionou nominalmente os seus dois auxiliares, Alejandro Mancuso e Héctor Enrique, indicando que ambos devem seguir ao seu lado."Tenho vontade de seguir, trabalhar com as pessoas que eu quero e, como disse, não mexam em nada".

O ponto crucial da reunião com Grondona se concentra na definição sobre se Maradona renovará o seu contrato até a próxima Copa do Mundo, em 2014, no Brasil. Sob o comando do astro, a equipe foi às quartas de final no Mundial da África do Sul, sendo eliminada com uma derrota por 4 a 0 para a Alemanha.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolArgentinaMaradona

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.