Reuters
Reuters

Cidade de Nápoles vai ganhar escultura do pé esquerdo de Diego Maradona

Lenda do futebol argentino, que era canhoto, marcou época com a camisa do Napoli na década de 1980, sendo idolatrado na cidade até os dias atuais

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2022 | 17h17

Mesmo após a sua morte, Diego Maradona continua recebendo homenagens. A mais recente acontecerá em Nápoles, na Itália, onde a lenda argentina brilhou com a camisa do Napoli. A cidade napolitana vai ganhar uma escultura em tamanho real do pé esquerdo do jogador, um dos canhotos mais habilidosos da história do futebol. 

Nesta quinta-feira, 12, o presidente do Napoli, Aurelio De Laurentiis, foi presenteado com uma miniatura da obra em uma cerimônia na prefeitura de Nápoles. Após o evento, as autoridades confirmaram o projeto de instalar o monumento, que será esculpido pelo artista italiano Stefano Ceci — amigo do "Pibe de Ouro" —, em uma praça no distrito de Scampia. O artista conta que o Maradona pediu para imortalizar seus pés em 2018. Foi então que ele teve a ideia de tirar um molde em 3D dos membros.

Maradona possui outras três estátuas em tamanho real em Nápoles. A idolatria pelo craque argentino na cidade é tão grande que o estádio do Napoli, antigo San Paolo, ganhou o nome do jogador menos de um mês depois de seu falecimento. Ele morreu no dia 25 de novembro de 2020, aos 60 anos de idade , vítima de uma parada cardiorrespiratória. 

Revelado pelo Argentinos Juniors, Maradona passou por Boca Juniors e Barcelona antes de chegar ao Napoli, em 1984. Foi com a camisa napolitana que viveu os melhores momentos de sua carreira, onde venceu duas vezes o Campeonato Italiano, além de também faturar uma Copa da Itália, uma Supercopa da Itália e uma Copa da Uefa. Também atuou ao lado dos brasileiros Alemão e Careca antes de deixar o clube, em 1991. 

Outra prova de que Maradona segue mexendo com o coração dos torcedores aconteceu há cerca de uma semana. A camisa número 10 usada por Diego no gol da "Mão de Deus" e no gol do século, nas quartas de final da Copa do Mundo de 1986 no México contra a Inglaterra, foi leiloada por 7,1 milhões de libras (cerca de 44,3 milhões de reais). Nunca antes a casa de leilões Sotheby's havia obtido um valor semelhante para outro item oferecido em um leilão. O objeto anterior adquirido por cerca de R$ 43,9 milhões fora o manifesto olímpico de 1892.

Tudo o que sabemos sobre:
MaradonaNapolifutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.