Maradona recebe tratamento de deus em Festival de Cannes

Diego Maradona esteve em Cannesnesta terça-feira para apresentar um filme que conta a históriade um dos jogadores mais brilhantes e imprevisíveis do futebolmundial e foi recebido em clima praticamente de devoçãoreligiosa. "Maradona by Kusturica" permitiu ao diretor sérvio EmirKusturica cultuar sua admiração pelo ídolo esportivo. "Nos dias de hoje, quando a popularidade é projetadaatravés do futebol como um esporte supremo no planeta, ele estáqualificado para ser um deus", disse Kusturica em entrevistacoletiva. Kusturica, duas vezes ganhador da Palma de Ouro dofestival, começou a produzir "Maradona" em 2005, quando oex-jogador era apenas sombra do grande atleta que encantou omundo na década de 1980, lutando contra males decorrentes douso de drogas e álcool. "Não foi particularmente difícil falar sobre isso. O que ébom é que eu sobrevivi para falar", afirmou Maradona. Lançado após a obra do diretor norte-americano James Tobacksobre o ex-lutador Mike Tyson, o filme, que é exibido fora dacompetição, é o segundo em Cannes a tratar de um heróiesportivo envolvido com problemas pessoais. Maradona, de 41 anos, saiu do bairro pobre de Buenos AiresVilla Fiorito para o auge do esporte, culminando com o títulomundial de 1986, incluindo dois dos gols mais famosos dahistória do futebol. Os dois gols contra a Inglaterra, um com a "mão de Deus" --como ele próprio definiu depois -- e outro driblando toda adefesa inglesa, foram alguns dos lances mais geniais dacarreira do jogador. Mas além de mostrar os gols do jogador, há poucas cenas deMaradona em atividade nos gramados, em um filme quefrequentemente mostra o diretor, que na sequência inicial éapresentado como "o Maradona do cinema". Há denúncias contra o presidente dos Estados Unidos, GeorgeW. Bush, cenas de Maradona com Fidel Castro e imagens deprotestos anti-globalização e exposição política. "Não somos todos obrigados a pensar como osnorte-americanos", disse Maradona. "Todos nós temos o direitode pensar ou falar ou nos expressar. Todos nos temos o direitoa liberdade."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.