Maradona respira sem ajuda de aparelhos

Uma semana depois da internação do astro do futebol argentino, Diego Armando Maradona, o comunicado oficial da Clínica Suíço-Argentina, onde está internado, anunciou que os médicos removeram os aparelhos de respiração artificial. O comunicado também informou que Maradona estava "estabilizado", sem sinais de febre. No entanto, destacam que seu estado ainda é "delicado". Maradona foi internado no domingo passado. Na ocasião, entrou consciente no hospital, embora tremendo e suando muito. O comunicado oficial da segunda-feira passada indicava que o ex-craque estava com pneumonia. Os analistas esportivos, mais céticos, consideraram que Maradona havia tido uma nova overdose de cocaína. Todos recordavam-se das angustiantes jornadas de janeiro do ano 2000, quando o ex-jogador quase morreu de overdose no balneário uruguaio de Punta del Este. Poucas semanas depois, o ex-jogador foi levado a Cuba, onde fez um polêmico tratamento de quatro anos contra as drogas. Há um mês retornou à Argentina, para resolver problemas financeiros e familiares. Neste fim de semana três médicos de Cuba chegaram a Buenos Aires. Eles querem levar o ex-jogador de volta ao spa de La Pradera, perto de Havana, para continuar o tratamento. Sobressaltos - Ao longo da semana, o coração dos fãs sofreu vários sobressaltos. As primeiras informações suscitaram um clima de funeral entre os "maradonamaníacos". As paredes da clínica transformaram-se em um santuário de fotos do próprio "El Diez", além de imagens de virgens, santos e beatos milagreiros. Posteriormente, a estabilização do paciente acalmou os fãs. Na sexta-feira foi o momento de glória, quando a clínica anunciou que o aparelho de respiração artificial havia sido removido. Mas, no sábado, a frustração tomou conta de novo dos seguidores de "El Diez", quando os médicos informaram que Maradona - diante das dificuldades de respirar por conta própria - havia sido reconectado aos aparelhos de respiração. Por esse motivo, neste domingo um suspiro de alívio percorreu os quase duzentos fãs que se acotovelavam nas portas da clínica, quando ouviram que mais uma vez, seu ídolo havia sido desconectado do aparelho. Deus e El Diez - "Este é um dia de esperança", disse com alegria Mariano, um fã que foi desde o município de Berazatégui até o centro de Buenos Aires todos os dias para esperar notícias sobre seu ídolo. "É o primeiro dia de sol desde que Diego foi internado", afirmou, apontando os ceús brilhantes da capital argentina. A análise meteorológica era um exagero do fã, já que no meio da semana houve pelo menos dois dias ensolarados. Mas, para seus fanáticos seguidores, "La Mano de Dios" (A Mão de Deus, como foi chamado depois do gol com a mão contra a Inglaterra em 1986) é capaz transformar o céu sombrio de outono em uma florida jornada de primavera ou vice-versa. Enquanto isso, acumulam-se os recados que os fãs colam nas paredes da clínica. Entre elas, "Diego, esse é o gol de tua vida, você não pode errar"; "Se tua vida depende de teu coração, eu te dou o meu para que você continue nos dando alegrias." As frases teológico-maradonianas são várias. "Deus é um só e ele descansa aqui"; "Diego, Deus existe e está internado"; "Você sempre viverá Diego, já que Deus não quer concorrência lá em cima."

Agencia Estado,

25 de abril de 2004 | 13h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.