Ricardo Mazalan/AP
Ricardo Mazalan/AP

Maradona se solidariza a Koulibaly e diz que também sofreu com racismo na Itália

Ex-jogador argentino atuou pelo mesmo time do zagueiro entre os anos de 1984 e 1991, onde acabou se tornando ídolo

Redação, Estadão Conteúdo

30 de dezembro de 2018 | 14h34

O ídolo argentino Diego Maradona manifestou neste domingo o seu apoio ao jogador senegalês Kalidou Koulibaly, do Napoli, que sofreu ofensas racistas por parte de torcedores da Inter de Milão, na quarta-feira, em partida válida pela 18ª rodada do Campeonato Italiano. Nas redes sociais, o argentino postou uma foto com a camisa do jogador e revelou que também foi alvo de comentários preconceituosos durante sua passagem pelo futebol italiano.

"Eu joguei sete anos no Napoli e também sofri com cânticos racistas de algumas torcidas. Ainda me lembro das bandeiras que diziam 'Bem-vindo à Itália'. Sinto-me como mais um napolitano e hoje quero estar ao lado de Kalidou Koulibaly. Espero que tudo isso marque um antes e um depois para terminar de vez com o racismo no futebol. Saudações a todos", escreveu o argentino.

Maradona atuou na Itália na década de 1980. Pelo Napoli, mesmo time que Koulibaly defende atualmente, ele fez sucesso e se tornou ídolo no futebol italiano, entre os anos de 1984 e 1991. Foi com a camisa da equipe de Nápoles que o argentino jogou mais partidas em sua carreira.

Na ocasião, o zagueiro do Napoli foi alvo de gritos racistas desde o primeiro tempo da partida. Torcedores imitavam um macaco toda vez que o defensor tocava na bola. Em razão das ofensas racistas, o técnico do Napoli, Carlo Ancelotti, pediu a paralisação do jogo por três vezes do banco de reservas.

Nervoso, o zagueiro do Napoli foi expulso aos 36 minutos do segundo tempo. No lance, ele fez falta em Politano e recebeu o cartão amarelo. Na sequência, começou a bater palmas para o árbitro, que entendeu o gesto como uma ironia e então mostrou o vermelho direto.

Após a partida, o jogador da equipe de Nápoles lamentou a derrota e sua expulsão de campo e fez questão de rebater os atos racistas. "Lamento a derrota e também por ter abandonado meus companheiros em campo. Mas tenho orgulho da cor da minha pele. De ser francês, senegalês, napolitano: homem", declarou o defensor, em sua conta no Twitter. Koulibaly é nascido na França, mas tem ascendência senegalesa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.