Maradona: "Se usar droga hoje, morro."

"Não quero voltar a ser o Diego de antes". Desta forma, o ex-astro do futebol argentino, Diego Armando Maradona, explicou que não pretende voltar à dependência das drogas, às quais esteve vinculado - com períodos de maior ou menor intensidade - por quase uma década e meia. Em uma entrevista à revista argentina "Gente", "El Diez" (O Dez), como é conhecido popularmente, indicou que os dias de agito ficaram no passado, e que não pode se arriscar a retornar aos velhos tempos: "se eu tomar droga hoje, morro. Por isso não saio, não vou a lugar algum. Fico em casa, vejo TV, vou trabalhar. Não quero voltar a ser aquele de antes". Maradona descarta que sua recuperação seja "um milagre". "Não é um milagre. No meu caso é de amor por minhas filhas. Não querO que nenhum médico nem clínica alguma vá contar vantagem comigo. Eu fui salvo pelo amor". No entanto, "El Pibe de Oro" (O Garoto de Ouro), não deixa de lado o misticismo e faz referências a Deus, a quem chama de "El Barba" (O Barba): "eu acho que ´El Barba´ me desligou da tomada, e voltou a me ligar. O seja, não quis que eu fosse embora". Segundo ele, junto com suas filhas fazem constantes piadas sobre o Maradona dos tempos turbulentos em que esteve internado, ao qual chamam de "o ex-Diego". Maradona afirma que não espera morrer de velhice: "Posso morrer a qualquer minuto, tal como as pessoas que moram no Iraque. Vivemos em um mundo drogado, onde ninguém faz coisa alguma pelos outros...e todos nos encontramos aos pés dos Estados Unidos". O ex-jogador também lamentou a separação de sua ex-esposa, Claudia Villafañe, que apesar do afastamento conjugal, continua presente na vida de Maradona. Atualmente, ela é uma das encarregadas do funcionamento do programa "La Noche del Diez". O ex-astro sustenta que morre de amores por ela, mas que entende que Claudia, cansada de tantas traições, tenha se separado dele. "É inútil dizer que estou arrependido. Isso está na minha cara, é evidente". Maradona considera que ela ainda o ama, mas que não o perdoa. De vida caseira, agradecendo às suas filhas publicamente pela recuperação das drogas, Maradona voltou a trabalhar. Em vez dos campos de futebol, o ex-astro está dedicado à televisão. Ele debutou na segunda-feira da semana passada uma nova etapa de sua vida sem drogas estreando na profissão de "apresentador de TV". Seu programa, "La Noche del Diez" (A Noite do Dez), no canal Trece - que foi um sucesso de audiência - teve Pelé como estrela principal, a quem entrevistou. Nesta segunda-feira no fim do dia existia grande expectativa pelo segundo programa de "La Noche del Diez". Os convidados especiais eram o tenista argentino Guillermo Coria, o jogador de basquete Emanuel Ginóbili, além de uma das divas da TV nacional, a apresentadora Susana Giménez. Ela, coincidentemente, é sua rival em outro canal, no mesmo horário do programa de Maradona. RAIVA DE XUXA - Maradona também disparou críticas contra a apresentadora-cantora Xuxa, que foi um nome especulado para participar do primeiro programa, mas que acabou participando, na mesma noite, em outro show, do apresentador Marcelo Tinelli: "quando eu estive preso por causa das drogas, a Xuxa não quis receber Dalma e Gianinna (suas filhas). Eu posso perdoar por mim, mas não perdoo por minhas filhas. Então, quando falaram que Tinelli a levaria em seu programa, respondi: ´então, irmão, que a leve!´..eu não vou me trair por 10 pontos a mais de audiência. A raiva que tenho dentro de mim ninguém a elimina". O REI, DEUS E O PAPA - A visita de Pelé ao papa Bento XVI foi alvo hoje de piadas em Buenos Aires. Em diversos programas de notícias não faltou a brincadeira "depois de se encontrar com Deus, Pelé foi ver o papa". "Dios" (Deus) é a forma como muitos fãs de Maradona se referem a seu ídolo. Um grupo deles, na cidade de Rosário, fundou a Igreja Maradoniana, que celebra o "Natal Maradoniano" no 30 de outubro, dia de nascimento de "El Diez". "MARADIET" - A significativa perda de peso de Maradona desde que no ano passado estava internado em uma clínica na Grande Buenos Aires é assunto de conversas cotidianas da população. Tanto os fãs como os críticos comentam surpresos - nas reuniões familiares ou nas mesas dos cafés - a recuperação física de "El Diez" (O Dez). Em março do ano passado, ao desembarcar em Buenos Aires depois de quatro anos de controvertido tratamento em Cuba, Maradona pesava mais de 130 quilos. Logo depois, teve uma overdose de cocaína. Foi internado e, dias depois, fugiu da clínica para refugiar-se na chácara de um amigo onde teve uma nova overdose, desta vez de croissants. Foi internado novamente, transferido de clínica, e finalmente enviado novamente para Cuba. No fim do ano passado, foi para Cartagena, na Colômbia, onde realizou uma operação de redução do estômago. De lá para cá, perdeu peso sem parar. Atualmente, afirma com orgulho, que pesa apenas 78 quilos. Para manter-se na linha segue uma estrita dieta. No café da manhã e na merenda da tarde, Maradona ingere café preto com adoçante, e duas ou três torradas com marmelada. No almoço ou jantar, as opções se restringem à sopa de fios de ovos, arroz, purê, frango ou verdura. Eventualmente pode comer um bife à milanesa ou um churrasco. Para beber, só água mineral, sucos e de vez em quando, um refrigerante light. Dos vícios do passado, confessa Maradona, só lhe resta um, neste caso, os charutos marca Romeu e Julieta, Made in Cuba, terra de seu amigoi Fidel Castro. Mas até este vício está em retirada, já que o ex-astro passou de fumar oito charutos diários para apenas três.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.