Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Charles Platiau / Reuters
Charles Platiau / Reuters

Maradona teve uma relação de amor e ódio com Pelé, mas ambos sempre se respeitaram

Argentino e Rei do Futebol trocaram farpas por décadas até fazerem as pazes em 2016, dar abraços e um reconhecer o outro como gênio

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2020 | 13h42

Diego Maradona teve ao longo da vida uma relação de amor e ódio com Pelé. Nos últimos anos, no entanto, os dois selaram as pazes e até trocaram afagos em público, abraços e respeito mútuo. No centro do embate entre o argentino e o Rei do Futebol esteve principalmente a disputa pela condição de maior jogador de todos os tempos. Para a ampla maioria dos fãs do futebol de todo o mundo não havia dúvidas de que não existiu ninguém maior do que Pelé. Na Argentina, muitos colocam Maradona como o melhor jogador da história.

A notícia de sua morte, chocou Pelé, 20 anos mais velho do que ele. "Que notícia triste. Eu perdi um grande amigo e o mundo perdeu uma lenda. Ainda há muito a ser dito, mas por agora, que Deus dê força para os familiares. Um dia, eu espero que possamos jogar bola juntos no céu", escreveu Pelé.

Leia Também

Acervo: Maradona

Curiosamente, o argentino teve Rivellino como maior ídolo de sua infância e não apenas por causa do talento do brasileiro, mas também por ele ter, nas suas palavras, desafiado Pelé durante a Copa do Mundo de 1970. "Rivellino sempre teve resposta para tudo. Ele encarou Pelé, que já era o melhor do mundo, e disse: 'Fala a verdade, você gostaria de ser canhoto?'”, contou o ídolo argentino certa vez.

Maradona e Pelé nunca se encontraram nos campos, mas fora deles se enfrentaram, fizeram amizade, competiram, brigaram e se reconciliaram. Durante muito tempo, Pelé não perdoava Maradona por seus vícios e atos de rebeldia, enquanto o argentino desprezava Pelé por sua ligação com a cartolagem do futebol.

O brasileiro, por sua vez, disse que o argentino "só tinha pé esquerdo", que era "um mau exemplo" e que "seu único gol importante foi feito com a mão", numa referência ao primeiro gol contra a Inglaterra (2 a 1) nas quartas de final da Copa do Mundo de 1986. Em 1998, durante entrevista a um canal de televisão da Argentina, Maradona bateu forte no Rei do Futebol. "Pelé é um escravo, ele vendeu seu coração para a Fifa. Pelé gosta mais de dinheiro do que de dormir", disse.

Depois de anos de afastamento, eles se reencontraram em 2005, quando Maradona teve Pelé como o primeiro convidado especial de seu programa de TV 'La Noche del 10'. Mesmo assim, Maradona ainda continuou lançando algumas de suas frases espirituosas contra seu rival histórico pela coroa. "Não gosto das comparações com Pelé por causa das bobagens que ele fala. Ele fica falando bobagens quando toma a pílula errada", disse Maradona em 2013, depois de Pelé considerar Neymar um jogador melhor do que Lionel Messi.

Acordo de paz

A reconciliação só veio em 2016, mas definitiva. "Chega de brigas", declarou Maradona quando eles se encontraram em Paris para uma "festa pela paz", organizada por uma marca de relógios. "Agora, estamos de mãos dadas", respondeu Pelé de braço dado com Maradona, que o ajudava a entrar nas instalações do evento enquanto caminhava com uma bengala.

No último dia 23 de outubro, Maradona deu os parabéns a Pelé pelo seu aniversário em uma mensagem publicada nas redes sociais. "Quero me juntar a esta homenagem universal, feliz 80 anos de vida, Rei Pelé!!!", escreveu Maradona no Facebook. Pelé retribuiu a gentileza no dia 30, quando Maradona completou 60 anos, e publicou uma foto de ambos antes da final do Copa de 1990, na Itália, com a seguinte legenda: "Meu grande amigo, eu vou sempre te aplaudir. Eu vou sempre torcer por você. Que a sua jornada seja longa e que você continue sempre sorrindo, e me fazendo sorrir também!"

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.