Olga Maltseva/AFP Photo
Olga Maltseva/AFP Photo

Maradona vê como 'barbaridade' jogadores da Argentina estarem no comando

Segundo o ex-jogador, Sampaoli continua na liderança, mesmo após polêmico vídeo em que pede a opinião de Messi sobre substituição

Estadão Conteúdo

30 Junho 2018 | 06h38

Maradona não tem função nenhuma na atual seleção argentina, mas na Copa do Mundo da Rússia tem aparecido mais do que o técnico Jorge Sampaoli. Depois de ter recebido até atendimento médico no estádio, na vitória por 2 a 1 sobre a Nigéria, resultado que garantiu a equipe nas oitavas de final, o ex-jogador fez uma análise sobre o momento da equipe.

+ Fliperamas e games dos anos 80 formam o acervo de museu em Moscou

+ França campeã sobre o Brasil teve importante papel social, diz Karembeu

+ Tite põe em prática um 'tiki-taka' à brasileira no Mundial da Rússia

Na opinião dele, Sampaoli continua no comando da seleção argentina. Nos últimos dias, com um vídeo do treinador pedindo opinião a Messi se deveria colocar Agüero em campo, o comando do atual técnico da Argentina foi colocado em xeque.

"Não acredito que seja possível. Se isso está acontecendo, é melhor ficar sem técnico. Deixe que qualquer dirigente convoque os jogadores e os selecione. Me parece uma barbaridade. Não ter um líder para marcar certas coisas não seria bom. Embora você tenha que confiar em atletas mais experientes. Mas até eles precisam que o técnico lhes diga algo, mostrar um caminho", disse em entrevista ao jornal espanhol "Marca".

Depois de ter terminado em segundo lugar no Grupo D da Copa do Mundo, a seleção argentina volta a campo neste sábado, às 11h (de Brasília), para enfrentar a França, pelas oitavas de final. Para Maradona, os franceses são um dos favoritos. "Respeito muito a França. É um dos candidatos ao título. O goleiro Lloris não falha nunca, tem também o Griezmann", disse.

 

No entanto, Maradona aposta em Messi e pediu sua seleção no ataque. "Sim, claro, pode ser (a Copa de Messi). O Mundial está apenas começando, está só nas fraldas. Agora é quando começamos a jogar mano a mano. Como Ronaldo disse no meu programa, ninguém mais pode recuar, as equipes precisam atacar", afirmou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.