Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Maradona: viagem para Cuba é mistério

"Não sei o que vou fazer nos próximos 15minutos...como vou saber o que vou fazer amanhã?". Desta forma, em umaconversa com amigos, o ex-astro do futebol argentino, Diego ArmandoMaradona, deixou claro que a data de sua partida para Cuba é ummistério. Na virada da noite da segunda-feira para a terça, preparoupara seus amigos um grande churrasco de despedida. Hoje (terça-feira),ele tinha uma reserva para quatro pessoas em um vôo para Havana. Mas, aúltimo minuto, decidiu ficar. No fim da tarde, fontes do círculo de amigos indicaram que a partidaseria "definitivamente" na quinta-feira. "El Diez" iria em umavião de carreira ou em um jatinho privado que um empresário colocariaà sua disposição. Na ilha caribenha, Maradona continuaria o tratamento contra a dependência das drogas. Ali, o clima é de compasso de espera pela chegada do ex-astro. A simpatia é mútua entre cubanos e o ex-jogador, já que "El Diez" declara constantemente sua paixão pela ilha e sua revolução socialista.O ex-jogador até ostenta essa predileção na própria pele: uma imagemdo líder cubano Fidel Castro está tatuada na panturrilha da pernaesquerda. O parceiro revolucionário de Castro, o argentino Ernesto"Che" Guevara está imortalizado no epitélio do braço direito.EL "CHE" - Em janeiro do ano 2000 Maradona quase foi visitar "ElBarba" (O Barba, denominação que o ex-jogador aplica a Deus) quando umaoverdose de cocaína quase o matou durante umas turbulentas férias nobalneário uruguaio de Punta del Este. Em fevereiro daquele ano, a convite de Fidel, Maradona foi à Cuba para realizar um tratamento contra a dependência das drogas. De lá para cá,a ilha foi seu lar. Ali, foi tratado como um semi-deus. Ele tornou-se o segundo mito argentino a pisar em Cuba. Seu antecessor- também um rebelde, mas de um estilo totalmente diferente - foi olíder guerrilheiro Ernesto "Che" Guevara, braço-direito de Castro narevolução cubana.Conhecido simplesmente como "el Che", Guevara, um médico argentino,conheceu Castro quando este estava planejando uma revolução paraderrubar o ditador Fulgencio Batista. Vitoriosos em 1959, após anos deluta, começaram a implementar um regime socialista. Após ter ocupado o cargo de ministro da Indústria e presidente doBanco Central, "el Che" decidiu continuar a revolução socialista emoutros países. Guevara morreu em 1967 na selva boliviana, tentandorebelar os camponeses. Para os cubanos, "el Che" é o estrangeiro maisilustre que participou da revolução.DRIBLE - Maradona não tomou armas pela Revolução, preferindo usar abola de futebol e suas frases polêmicas para tentar defender Fidel como mesmo entusiasmo que seu falecido compatriota argentino fez há quatrodécadas.No ano 2000, poucos meses depois de estar instalado em Cuba, reuniu-secom Fidel, a quem ensinou como fazer dribles com a bola. O líder cubano, que estava mais acostumado a jogar ao beisebol, oesporte mais popular da ilha, teve a aula dentro do próprio Palácio dela Revolución. "Aprendi a driblar", disse Castro ao fim da "aula".Para o regime de Castro, "El Diez" tem sido útil, já que - apesar deeventuais problemas como acidentes de automóvel resultados de rachasnas estradas cubanas - desde Havana, Maradona declara elogios ao lídercubano com freqüência. "Estou muito orgulhoso de ser amigo de FidelCastro, é um homem muito inteligente, que sabe de tudo", disse.Além disso, o ex-jogador costuma disparar críticas contra o governodos EUA, a invasão ao Iraque, a pobreza mundial e o próprio estado dedecadência econômica e social da Argentina (no entanto, em VillaFiorito, o bairro pobre de Lanús, onde nasceu, Maradona nunca realizouqualquer tipo de obra de caridade).Maradona só saiu de Cuba para brevíssimas visitas à Buenos Aires paraver suas filhas e os pais, além de tourneés de conferências ouapresentações pelo mundo que nem sempre terminaram bem.Em março, veio à Buenos Aires cuidar de seus problemas sentimentais (odivórcio com sua ex-esposa Claudia Villafañe e o distanciamento comsuas duas filhas adolescentes) e as complicações financeiras (ele acusaseu ex-amigo e ex-manager Guillermo "Guillote" Coppola de tê-lodesfalcado).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.