Marcado, Neymar terá ajuda na criação das jogadas ofensivas

Companheiros afirmam que seleção deve apostar na força do grupo

Robson Morelli - Enviado especial a Teresópolis, O Estado de S. Paulo

21 de junho de 2014 | 10h36

Neymar terá ajuda na partida contra Camarões, segunda-feira, em Brasília. Pelo menos essa é a promessa dos seus companheiros da seleção, que mais uma vez afirmaram que o atacante não joga sozinho nem é responsável em fazer todas as jogadas do time na Copa. Marcelo, um dos mais habilidosos do elenco, é o primeiro a apostar na criatividade quando os adversários igualam a condição física e fecham as portas por já saber como o time de Felipão joga.

O discurso comum da seleção é que todos os adversários já manjaram a forma de atuar do Brasil, principalmente porque viram isso na Copa das Confederações, quando a seleção mostrou todas as suas armas e seu estilo. De lá para cá, a esperança do torcedor era que a equipe recuperasse essa forma de atuar, o que conseguiu de certa maneira, mas abaixo do esperado. Ocorre que, para Marcelo, os rivais estão mais fortes e concentrados.

"Várias seleções já estudaram a nossa forma de atuar e aí tudo fica mais difícil. Quando o jogo está nessa condição, vale a criatividade do jogador brasileiro." Marcelo deve assumir mais esse papel porque ele é uma boa opção de saída de bola pela esquerda. O problema do lateral é com a defesa, com suas costas. Se for bem coberto e não sobrecarregar Luiz Gustavo, Marcelo terá mais liberdade para atacar.

"Não podemos esperar somente de Neymar. Não é só ele. Todos nós temos de ajudar o time a criar. A seleção tem esse poder de criatividade." O lateral acredita que a seleção tem potencial para melhorar, e que isso depende também do encaixe ao adversário. Contra o México, um time bem montado e com poder ofensivo organizado, o Brasil fez uma disputa equilibrada. Contra Camarões, é consenso também no grupo de Felipão que o rival, por estar eliminado e apenas cumprindo tabela, vai jogar sem responsabilidade. "Eles não têm mais nada a perder. São qualificados e fortes fisicamente."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.