Divulgação/Real Madrid
Divulgação/Real Madrid

Real Madrid se mantém na liderança das marcas mais valiosas. Veja o top 10

Relatório da Brand Finance mostra que receitas do clube merengue caíram 13,8%, mas a equipe continua na ponta do ranking

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2020 | 10h21

Mesmo com os prejuízos econômicos acarretados pela pandemia do novo coronavírus, o Real Madrid continua sendo o clube de futebol mais valioso do mundo. Isso é o que diz o mais recente relatório da consultoria inglesa Brand Finance divulgado nesta quarta-feira. O estudo ainda mostra que o valor da marca merengue teve uma queda de 13,8% e, em contrapartida, o Barcelona um aumento de 1,4%.

"Hoje, duas marcas espanholas no mundo do futebol vestem a Espanha. Sem dúvida, o esporte espanhol é mais um orgulho dos espanhóis e mostra o poder brando de nossa nação", disse Teresa de Lemus, diretora administrativa de finanças de marca, ao jornal espanhol Marca.

Apesar do recuo, considerado extraordinário em decorrência do contexto em que mundo se encontra, as projeções da marca Real Madrid são otimistas. O clube expandiu sua oferta comercial com o lançamento do Real Madrid Next, voltada em parcerias tecnológicas. Outro fator identificado pelo estudo e que comprova o poderio do time da capital espanhola é o chamado grau de resiliência. Trata-se do potencial da marca em superar crises sem ter a reputação ameaçada. A pontuação é a mais alta da Europa e em uma escala de zero a cem, chega a 94,9.

Porém, os merengues contam com uma concorrência que existe também dentro de campo. As projeções do rival catalão também não deixam a desejar. Diferente da queda de receita acumulada pelos merengues, o Barcelona teve um aumento de 1,4% no mesmo período e diminuiu a diferença. O Real Madrid fechou suas receitas anuais em 1,419 bilhão de euros (R$ 8,617 bilhões), enquanto o Barcelona em 1,413 bilhão de euros (R$ 8,580 bilhões). A marca catalã também possui projetos voltas a setor de tecnologia e projeta a construção de um novo estádio.

O relatório aponta que entre as marcas mais valiosas do mundo, o domínio é dos ingleses. Dos 50 mais ricos, 19 são localizados no país. A presença tem como integrantes inclusive equipes que não são as mais tradicionais da liga local. Leicester e Wolverhampton aparecem em posições de destaque graças ao auxílio de elevadas médias de público e de investidores internacionais.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
O futebol de alto nível tem sido confrontado com a maior ameaça existencial desde a Segunda Guerra Mundial. A perda de renda, juntamente com as preocupações com a saúde sobre aglomerações, levantaram pontos de interrogação sobre o futuro do setor
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Richard Haigh, Diretor administrativo da consultoria Brand Finance

Apesar dos valores, a pandemia do novo coronavírus representa um grande golpe para os times europeus. O relatório aponta que pela primeira vez em seis anos o valor das marcas dos 50 principais times do muito registrou queda. O impacto em receitas relacionadas a jogos, direitos comerciais e cotas de televisão chega a ser de R$ 4,5 bilhões. "O futebol de alto nível tem sido confrontado com a maior ameaça existencial desde a Segunda Guerra Mundial. A perda de renda, juntamente com as preocupações com a saúde sobre aglomerações, levantaram pontos de interrogação sobre o futuro do setor e a resiliência financeira dos clubes em todos os níveis", explicou o diretor administrativo da consultoria, Richard Haigh.

Confira o ranking dos clubes mais valiosos do mundo

  • Real Madrid – R$ 8,617 bilhões
  • Barcelona – R$ 8,580 bilhões
  • Manchester United – R$ 7,89 bilhões
  • Liverpool – R$ 7,28 bilhões
  • Manchester City – R$ 6,69 bilhões
  • Bayern de Munique – R$ 6 bilhões
  • Paris Saint-Germain – R$ 5,87 bilhões
  • Chelsea – R$ 5,76 bilhões
  • Tottenham – R$ 4,78 bilhões
  • Arsenal – R$ 4,33 bilhões

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.