Marcelinho e Corinthians sem acerto

Os advogados do Corinthians não modificaram a proposta do clube para Marcelinho Carioca e não houve, hoje, na audiência, acordo entre as partes. A ação judicial imposta pelo jogador contra o time de Parque São Jorge, requerendo o pagamento de multa por "rescisão contratual", aguarda agora a sentença do juiz Manuel Antônio Ariano, da 74.ª Vara de Justiça do Trabalho. "Pode ser que ela saia antes do recesso da Justiça, dia 19 de dezembro", explicou Ariano. Mais uma vez Marcelinho e seus desafetos, Vanderlei Luxemburgo, Ricardinho e Scheidt tiveram de se confrontar diante de um tribunal. Foi na audiência de hoje, em São Paulo, originalmente marcada para o mês passado. O meia, agora no Santos, requer cerca de R$ 1,2 milhão do clube. "Se houvesse bom senso das duas partes, principalmente do Corinthians, isso tudo já teria terminado", disse Marcelinho. Os advogados do Corinthians voltaram a propor que ele se apresente junto com o restante do time na volta das férias, dia 2 de janeiro. Curiosamente, Thomas Bradfield e João Paulo Morello, os advogados de Marcelinho, disseram que Luxemburgo reiterou o que afirmara na primeira audiência: "Eu não trabalho mais com Marcelinho." A declaração do treinador, explicou Morello, só reforça a tese de que o Corinthians, na realidade, não quer mais o seu cliente. Uma declaração do juiz revela o temor do jogador: ficar encostado. "Marcelinho não aceitou a proposta porque deu a entender que não tem garantias de ser aproveitado." O contrato do meia com o Santos vai até 31 de dezembro. "O futuro a Deus pertence, mas dia 2 de janeiro estarei em campo de novo", afirmou Marcelinho, sem especificar por qual clube. "Existe uma hierarquia, é a autoridade que decide e a justiça sempre prevalece", comentou. Em nenhum momento foi taxativo com um ou outro time: "Estou sendo muito bem tratado no Santos", falou. Depois, referindo-se ao Corinthians, afirmou: "Jamais deixarei de reconhecer o clube que me abriu as portas." Mas o clima para Marcelinho no Parque São Jorge não sugere sua volta. "O Scheidt e o Edvar me cumprimentaram", disse. Luxemburgo e Ricardinho, apesar do respeito demonstrado, não se referiram ao atual meia do Santos. O juiz Manuel Antônio Ariano concedeu mais 20 dias aos advogados das duas partes para que apresentem suas considerações finais ao processo. "Não haverá nova audiência. O próximo passo é a sentença", explicou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.