Marcelinho é homenageado pela Fiel

A relação de amor entre a torcida do Corinthians e o cidadão brasileiro Marcelo José Surcin, baixinho de 1,65m e 63 quilos, 35 anos e uma facilidade enorme em cobrança de faltas, teve um de seus momentos mais emocionantes neste domingo, no Pacaembu.Foi no mesmo palco de tantos outros jogos que Marcelinho pisou desta vez vestindo a chamativa camisa amarela do Brasiliense. Clube de senador cassado, não o clube do povo. Não interessa. Marcelinho é o mesmo.Seu nome foi gritado após o dos onze jogadores corintianos. Era o velho ?Uh, Marcelinho? de tantas jornadas. Seguido de um novo grito: ?Doutor, eu não me engano, o Marcelinho é corintiano.? No intervalo, ele foi presenteado com uma camisa da Gaviões da Fiel e uma placa. Agradeceu e foi embora. Desceu para o vestiário ouvindo muitos aplausos. A apoteose foi guardada para o final. Marcelinho ouviu seu nome gritado por todo o estádio. Insistentemente. E mostrou que ainda é bom de marketing.Correu até o setor amarelo e mandou a camisa do Brasiliense para seus admiradores. Seu time havia perdido e ele era o mais assediado por todos os repórteres. ?É uma sensação maravilhosa ouvir 32 mil pessoas gritando o seu nome. E muito melhor ainda quando esses torcedores são do time adversário.? Marcelinho chegou ao Corinthians em 1994, e ganhou o apelido de Marcelinho Carioca para diferenciá-lo de outro Marcelinho, o volante que passou a ser chamado de Marcelinho Paulista.Saiu em 1997, para o Valencia, voltou em 98 e ficou até 2001, quando deixou o clube após uma briga com Ricardinho, hoje no Santos.Foram 420 jogos e 206 gols marcados. Foram 120 jogos e 53 gols em seis Campeonatos Brasileiros. Ontem, Marcelinho deixou uma porta aberta. ?Estou muito bem no Brasiliense, é um grupo sensacional, que está lutando para sair dessa situação difícil, mas eu fui muito feliz no Corinthians. Sempre respeitei esse time e não sei o que pode acontecer depois.? Disse e correu para o tobogã, para a fase final de seu show particular.

Agencia Estado,

02 de outubro de 2005 | 19h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.