Marcelinho marca para o Santo André, e Corinthians só empata

Resultado mantém a invencibilidade do time alvinegro, que reclama de três pênaltis não marcados na partida

Tercio David, estadao.com.br

12 de julho de 2008 | 18h00

  Ernesto Rodrigues/AE Marcelinho (esquerda) cabeceia a bola antes de Denis e surpreende Felipe ao fazer o gol do Santo AndréSÃO PAULO - O Corinthians segue invicto na Série B do Campeonato Brasileiro, mas poderia ter deixado o Estádio Bruno José Daniel com a nona vitória no campeonato, não fosse o gol de Marcelinho Carioca, ainda no primeiro tempo, e os três pênaltis não marcados para o time de Mano Menezes. O resultado, foi um 1 a 1 com o Santo André, o terceiro empate do time no torneio.Veja também: Blog Bate-Pronto: Como parar o Corinthians? Marcelinho: me dói o coração marcar contra o Corinthians Mano diz que árbitros estão complicando o Corinthians Classificação Resultados / calendárioO resultado mantém a equipe corintiana na liderança do campeonato, com 27 pontos, seis a mais que o novamente vice-líder Juventude e nove à frente do quinto colocado Avaí, o primeiro eventualmente fora da zona de classificação para a Série A. O Santo André agora tem 16 pontos e segue no meio da tabela.Na próxima rodada, o Corinthians recebe o Bahia, no Pacaembu, no sábado (19). Depois, na terça, enfrenta o Ceará, no Castelão, em Fortaleza (CE). Já o Santo André visita o Vila Nova, na sexta, e daí vai encarar o América-RN, em casa, também na terça seguinte. PRESSÃO E SURPRESAO Corinthians começou pressionando e poderia ter aberto o placar antes mesmo da marca de 20 minutos, caso o árbitro Guilherme Cereta de Lima tivesse marcado um dos dois pênaltis, um sobre Herrera e outro sobre Dentinho.Se o Corinthians não marcou, o Santo André o fez. Aos 26, Marcio Mixirica aproveitou o vacilo de Chicão e Felipe e tocou de bico. A bola explodiu no peito do goleiro corintiano e sobrou para Marcelinho tocar de cabeça, por cobertura, para marcar o seu terceiro gol contra o ex-time. "Me dói o coração marcar contra o Corinthians, mas quando a bola rola é preciso ser profissional e fazer melhor possível", comentou o camisa 7 no intervalo.Após um breve momento de sufoco, logo após sofrer o gol, o Corinthians seguiu dominando, jogando sempre pelas laterais do campo. Mesmo assim, o zero no placar corintiano persistiu, e por um bom tempo.Na segunda etapa, o jogo piorou e perdeu emoção. O Santo André recuou e ficou esperando um contra-ataque lhe desse o segundo gol. O Corinthians seguiu no ataque, mas errou muito nas assistências. Santo André1Neneca; Cicinho, Marcel, Douglas e Jailson; Fernando, Willians     , Pará e Jefferson      (Fabinho); Marcelinho Carioca (Antonio Flávio) e Marcio Mixirica.Técnico: Sérgio Soares Corinthians1Felipe; Denis, Chicão     , William e Andres Santos; Carlos Alberto (Perdigão), Eduardo Ramos (Lima), Elias e Lulinha (Wellington Saci); Herrera e Dentinho     .Técnico: Mano MenezesGols: Marcelinho Carioca, aos 26 minutos do primeiro tempo. Wellington Saci, aos 31 minutos do segundo tempo.Árbitro: Guilherme Cereta de Lima (SP)Renda: R$ 262.200,00Público: 10.649 pagantesEstádio: Bruno José Daniel, em Santo André (SP).Assim, quando parecia que tudo acabaria com a primeira derrota do Corinthians no campeonato, surgiu o belo chute de fora da área de Wellington Saci - que havia entrado há pouco no lugar de Lulinha - após passe de Denis, originado da lateral direita. RECLAMAÇÃOO empate animou o time corintiano, que foi ao ataque e pressionou o Santo André, em busca da virada, o que poderia ter acontecido, já nos descontos, quando Herrera invadiu a área e foi claramente derrubado pelo zagueiro Marcel. Novamente, os corintianos reclamaram de um pênalti não marcado."Os árbitros vem sempre errando contra a gente e isso é que tem complicado a nossa vida", comentou Herrera ao final da partida. "Mesmo assim, apesar de ser o terceiro ou quarto jogo que somos prejudicados, conseguimos manter a invencibilidade e a liderança."O goleiro Felipe seguiu o pensamento do companheiro corintiano. "É complicado quando a arbitragem influencia no resultado do jogo. Não importa se são dois ou três pênaltis, quando acontece, tem de marcar", disse. "O empate é bom, mas era para a gente ter vencido." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.