Marcelinho promete se vingar do Al Nassr

Marcelinho Carioca chegou ao Brasil prometendo processar o Al Nassr. Além de cobrar quatro meses de salários atrasados, o jogador brasileiro vai mover uma ação por danos morais. E ainda pretende reivindicar uma indenização milionária para compensar todo o sofrimento nesses quatro meses na Arábia Saudita. "Vocês vão ver. Eles vão sofrer um bocado para me pagar. Vão se arrepender de tudo o que fizeram", avisou.No desembarque, neste domingo, no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, Marcelinho soube que Rivaldo pode se transferir para o Al Ittihad, time de Candinho na Arábia. E tratou de lhe mandar um recado. "Se ele for mesmo, acho bom receber tudo adiantado. Se não, pode ter problemas", recomendou. Em seguida, acrescentou. "Se o meu time, que é o segundo lugar no campeonato não me pagou, imagine então a situação dos outros..."Na concorrida entrevista coletiva deste domingo, no aeoporto, Marcelinho fez questão de absolver o povo árabe. Não tenho a menor queixa do povo. ?Sempre fui tratado com respeito e com carinho pelas pessoas?, revelou. De acordo com o jogador, o problema são os dirigentes. "No primeiro mês foi tudo uma maravilha. Mas depois você vai conhecendo as pessoas e o sistema. Infelizmente, as pessoas não são corretas e o sistema totalmente despreparado. Existe uma monarquia e uma ditadura muito fortes. Quem manda no país são eles. Só que eu lutei até o fim e venci, com o apoio da Fifa."Marcelinho não confirmou a história de que o clube cortou a energia elétrica de sua casa, em represália à sua decisão de rescindir o contrato. "O que aconteceu é que eles esqueceram de pagar a conta. Foi só um dia. Também não é verdade que eu fiquei confinado em meu apartamento. Levava uma vida normal, podendo sair para ir ao supermercado ou para jantar fora. Só não pude voltar ao Brasil porque eles me chantagearam, segurando o meu passaporte. Diziam que só liberariam o visto se eu abrisse mão do que tinha para receber. Até que a Fifa entrou em ação. No dia de Natal, recebi o meu visto", contou o jogador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.